Escreva para expressar, não para impressionar.

O que seus leitores NÃO DEVEM pensar enquanto leem sua história

Por Dawn Field em 26/04/2019 Tópicos: Dicas, Escrever Ficção
0
17

Todos nós escutamos um monólogo interior sobre o mundo ao nosso redor. Quando lemos uma história, acontece algo parecido: palavras despertam vozes em nossas cabeças.

O que o leitor pensa quando lê o seu texto? Como escritores, o que realmente queremos é que nossos leitores se façam as perguntas certas, tais como “O que vai acontecer na sequência?” e, ainda mais importante, “Como isso tudo vai se resolver?”.

Tudo o que você precisa saber para começar a escrever melhor

Tais perguntas nos fazem seguir virando a página. É seu trabalho como escritor oferecer dicas, pistas, sugestões e mistérios para evocar esse desejo de continuar a leitura. Para isso, você precisa evocar as perguntas certas na mente do leitor.

Aqui estão cinco perguntas que você não quer que seus leitores se façam enquanto leem sua história.

1. Quando isso vai acabar?

Enquanto lia uma história, você já deve ter pensado “Este capítulo é longo demais… deveria ter terminado há cinco páginas”. Você folheia o livro e descobre que há mais duas páginas. Você pula para o próximo capítulo?

Os autores devem manter aceso o fogo da ação e do significado. Se essa chama se apaga, a história esfria.

Desejar que uma parte da história termine é um sintoma de que o medidor da quantidade de informações [relevantes] está muito baixo. Há pouca coisa acontecendo. O material está repetitivo e monótono. Não importa a razão, esta parte do texto precisa ser cortada ou enriquecida.

2. Perdi alguma coisa?

Sabe quando você lê uma passagem e imediatamente você se sente compelido a reler algumas linhas ou parágrafos anteriores para ver se não perdeu alguma informação crucial?

Isso pode ter acontecido porque você estava distraído, mas pode ser que o escritor não tenha dado ênfase suficiente para certas informações que você deveria ter registrado anteriormente. Ou trata-se de um erro de inconsistência na história.

Isso é perdoável em rascunhos, mas é chocante em um livro publicado.

3. O que está acontecendo?

Às vezes, você está acompanhando um livro e, de repente, percebe que não tem mais nenhuma idéia do que está acontecendo. Novamente, isso pode acontecer porque você se distraiu. Talvez sua mente esteja preocupada com outras coisas, mas isso também é um mau sinal.

Talvez o escritor tenha falhado em envolvê-lo. Talvez a história tenha dado um grande salto no tempo ou nos eventos ou novos personagens foram apresentados. Talvez você não estivesse confortável o suficiente no universo de ficção para assimilar tais saltos.

Mas pode ser que a história seja confusa e que você esteja perdido porque chegou a um ponto em que aquilo que você acreditava saber já não é mais suficiente para orientar a leitura. Escritores devem ser consistentes e construir histórias com base no que já compartilharam com os leitores. Quando a história toma uma nova direção, isso pode ser muito mais emocionante, contanto que você tenha feito um bom trabalho preparando o leitor para assimilar essa nova direção nas cenas anteriores.

4. Para onde isso vai?

Os leitores querem ter uma noção de para onde a história está indo. Eles podem ficar encantados em descobrir que estão errados quando você introduzir uma nova reviravolta no enredo, mas eles não querem ficar completamente no escuro. Eles querem adivinhar, ponderar, se perguntar.

Os leitores também podem se sentir perdidos se, de repente, você subverter certas expectativas do gênero literário ou se você mudar de gênero. Se você começar como um romance e terminar como um faroeste, os leitores podem ficar confusos. Se os leitores começarem a pensar que este é um romance tradicional e você mudá-lo para um thriller onde ambos os personagens morrem, você certamente vai aborrecer quem esperava um “felizes para sempre”.

Também pode ser problemático quando algo chocante acontece. Por exemplo, se você acha que o contexto da história está completamente fundamentado na realidade e, então, no meio do livro, você inclui um capítulo com vários eventos sobrenaturais, isso pode causar estranhamento no leitor.

5. O escritor sabe o que está fazendo?

Você sempre quer que os leitores pensem que você escolheu cada palavra e cada idéia do seu livro com um propósito. Afinal de contas, você não está tentando desperdiçar o tempo de quem lê sua história.

“Será que esse acontecimento é possível? Este cenário é realista? Isso poderia acontecer desta forma?” Se o leitor começar a contemplar tais perguntas, é um forte sinal de que a história está perdendo seu encanto.

Idealmente, os leitores devem comprar todas as ideias apresentadas ao longo da narrativa porque elas parecem completamente possíveis no contexto do universo da sua história, não importa o quão fantasiosas.

Tudo o que você precisa saber para começar a escrever melhor

Sobre o Autor

Dawn FieldLer todos os textos de Dawn Field
Dawn Field ama livros e se interessa em entender de que são feitas as grandes histórias. Depois de uma carreira de 20 anos em pesquisa científica, seu primeiro livro “Biocode” foi publicado pela Oxford University Press. Ela mora no estado de Virgínia, nos Estados Unidos, e deseja trabalhar com escritores de ficção como mentora, editora e consultora sobre o processo de publicação. Ela também é criadora do site unityinwriting.blog. Dawn Field autorizou a publicação da tradução de Diego Schutt do texto original em inglês. É proibida a reprodução desse artigo sem autorização por escrito.

Seja o primeiro escritor a comentar sobre este texto

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copyright 2010-2019 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos