Escreva para expressar, não para impressionar.

A única regra universal para escrever bem: não seja chato

Crédito foto: Julian Howard no Unsplash

Muitas pessoas confundem regras de escrita com técnicas de escrita. Eis a diferença. Regras prescrevem princípios que você deve obedecer para alcançar um objetivo. Técnicas sugerem métodos que podem ajudar você a alcançar um objetivo.

Uma regra dita “Histórias precisam de uma trama eletrizante para prender a atenção do leitor”, enquanto uma técnica sugere “Como estruturar o enredo para que a trama da história desperte a curiosidade do leitor”. É um diferença sutil, mas muito importante. Regras determinam como você deve escrever. Técnicas revelam possíveis formas de escrever para se criar uma certa experiência de leitura.

O Ficção em Tópicos está focado em compartilhar técnicas de escrita, ou seja, ferramentas que, direta ou indiretamente, ajudem você a aperfeiçoar as histórias que deseja contar.

Acredito em uma única regra para escrever bem: não seja chato. 

O que eu considero chato é possivelmente diferente do que você considera chato. Ainda assim, chatice segue alguns princípios básicos que, se você fizer um esforço para contorná-los, terá chances maiores de escrever textos mais interessantes.

O vídeo “How not to be boring” (“Como não ser chato”) da The School of Life (disponível no final do artigo) defende a ideia de que ninguém é chato por natureza mas, às vezes, parecemos chatos para outras pessoas. Isso é resultado da falta de autoconhecimento ou da falta de habilidade para expressar quem verdadeiramente somos.

Todo ser humano é inerentemente interessante. A vida de cada pessoa é uma combinação original, única e complexa de experiências que ninguém jamais viveu e ninguém jamais viverá. O que faz uma pessoa ser considerada chata é sua incapacidade ou falta de coragem para compartilhar com sinceridade e personalidade a forma particular como ela enxerga e experimenta o mundo, o que a excita, quais são suas ambições, do que tem inveja, do que se arrepende, quais são seus sonhos e seus medos.

Não é por acaso que uma conversa com uma criança de cinco anos pode ser muito mais interessante do que uma conversa com um adulto de cinquenta. A incapacidade da criança de censurar seus pensamentos e filtrar suas palavras permitem que ela revele o que realmente pensa e sente. Crianças são leais ao conteúdo de suas mentes. Compartilhar o que lhes parece verdade é, para elas, instintivamente mais importante do que ser social.

A criança curiosa e interessante começa a se transformar em um adulto chato e desinteressante quando surge o desejo de ser reconhecida como “normal”. Esse desejo de pertencer e ser como todo mundo é comum e natural. Quem tem aspirações artísticas, entretanto, incluindo escritores, precisa reaprender a olhar para o mundo com essa curiosidade infantil.

Fazer arte nada mais é do que olhar para o ordinário de uma forma diferente. Artistas conseguem interrogar suas percepções de uma forma clara e honesta. Muitas vezes, a originalidade de certas ideias está, simplesmente, na sinceridade crua e na contemplação sensível do artista para expressar seus pensamentos e ideias.

A combinação do olhar autêntico de uma criança com a habilidade de se expressar com beleza, precisão e clareza de um adulto é um antídoto poderoso contra chatice.

Uma pessoa interessante não é necessariamente alguém que teve experiências extravagantes. Primordialmente, é alguém que aprendeu a prestar atenção aos movimentos sutis dos seus pensamentos e emoções e, portanto, consegue transformar em histórias as fantasias vívidas, as percepções elaboradas, e as aventuras excitantes que povoam a sua mente.

Baixe uma amostra grátis do 1º Ebook do Ficção em Tópicos

About the Author

Diego SchuttView all posts by Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 8 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

1 Comment

  1. fabio seca 11/10/2018

    Meu nome é Fabio Seca, sou jovem escritor, estou acabando meu primeiro capitulo, e o importante é não ser chato não escrever novela e sim um romance, acredito nas oficinas com outros escritores e em ficção em tópicos. Obrigado!

Add comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copyright 2010-2018 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos