Aprenda a criar realidades com palavras

Cenas

A vida de todo personagem oferece infinitas possibilidades para o desenvolvimento de uma história. O trabalho do escritor é selecionar as informações e os acontecimentos mais relevantes da vida do protagonista e organizá-los em uma sequência de eventos que envolva o leitor e o ajude a criar uma conexão emocional com esse personagem.

Esses eventos podem aparecer na história de duas formas:

Sumários Narrativos

Um sumário narrativo é um trecho do texto que apresenta acontecimentos importantes para o desenvolvimento da história de maneira compacta. É uma forma de avançar no tempo da narrativa rapidamente, passando para o leitor somente as informações mais importantes para contextualizar a cena seguinte ou caracterizar os personagens.

Exemplo:

Nicole havia aterrorizado o irmão no sábado anterior. O menino teve pesadelos todos os dias da semana seguinte.

Observe como, ao invés de descrever detalhes sobre a briga, o texto avança no tempo e simplesmente contextualiza o que aconteceu (a briga entre os irmãos) e, na sequência, dá pistas sobre o impacto do incidente no personagem (ele teve pesadelos todos os dias da semana seguinte).

Cenas

Uma cena é uma passagem do texto que foca nas ações e reações dos personagens durante um período de tempo delimitado e em um lugar específico, dando a sensação de que a história está se desenrolando em tempo real, a medida que se está lendo.

Cenas envolventes surpreendem as expectativas e presunções do leitor e permitem que ele entenda o impacto do que está acontecendo na vida dos personagens. Uma forma de fazer isso é criando tensão e conflito e mostrando a reação dos personagens presentes na cena.

Exemplo: 

“Senta aí que eu tô mandando”, Nicole gritou apontando para a cadeira, com a soberania de irmã mais velha.

Bruno obedeceu ao comando em silêncio, assustado com a cara amassada da menina. Ela vestia o abrigo azul com o símbolo do colégio, ainda que fosse sábado. 

Observe como esse trecho de uma cena passa a sensação que os acontecimentos estão se desenrolando ao mesmo tempo que lemos o texto, e como a narrativa introduz um conflito (a briga entre os irmãos) e dá pistas sobre a personalidade dos personagens (Nicole passa a impressão de uma menina mandona e irritada e Bruno parece ser um garoto passivo e medroso).

Toda cena em uma história de ficção têm uma função específica na narrativa. Você determina essa função definindo o que o leitor deve saber, pensar e sentir sobre cada personagem presente e o impacto que esta cena terá na cena seguinte.

Existem quatro tipos de cena.

  1. Cenas de contextualização: esse tipo de cena define os limites do universo da história e passa informações importantes para o entendimento do que acontecerá na sequência. Cenas de contextualização são usadas para apresentar ao leitor premissas e presunções que servirão de base para o entendimento das cenas seguintes. Por exemplo, uma cena que descreve um pequeno vilarejo e seus habitantes conservadores para contextualizar o local e o contexto social de onde a história vai se passar.
  2. Cenas de ação: esse tipo de cena mostra as atitudes de um personagem para alcançar um objetivo concreto. Cenas de ação são usadas para aproximar o leitor de um personagem, permitindo que ele testemunhe seu comportamento em tempo real. Por exemplo, uma cena onde o personagem A vai até a casa do personagem B com a intenção de matá-lo.
  3. Cenas de reação: esse tipo de cena apresenta o impacto emocional em um personagem de algo que aconteceu em uma cena anterior. Cenas de reação são usadas para ajudar o leitor a entender o que certos acontecimentos significam para um personagem. Por exemplo, uma cena onde observamos a reação fria e indiferente do personagem A no dia após ele matar o personagem B.
  4. Cenas de aprofundameto: esse tipo de cena permite ao leitor conhecer os cenários e personagens da história em mais detalhes. Cenas de aprofundamento são usadas para dar textura e complexidade para a narrativa. Por exemplo, uma cena onde o personagem A conversa com o personagem C sobre as primeiras impressões que ele teve a respeito do vilarejo quando se mudou para lá 5 anos atrás.

Algumas cenas apresentam características de mais de um dos tipos acima, mas é importante definir a principal função que cada cena vai cumprir em cada momento da história. Essa função é o que determina o tipo de informação que você deve focar em compartilhar com o leitor nesta parte do texto.

Ou seja, em uma cena de ação, onde o foco está em apresentar os comportamentos de um personagem para alcançar um objetivo concreto, incluir muitos detalhes sobre o cenário ou os personagens pode prejudicar o ritmo da narrativa. Em uma cena de reação, onde o foco está em apresentar o impacto emocional de um acontecimento em um personagem, dar um objetivo concreto para ele alcançar pode desviar a atenção de suas emoções internas para comportamentos externos.

Cada cena é uma micro-história dentro da história. Portanto, toda cena precisa de um começo, um meio e um fim. Para determinar quando uma cena termina e outra começa, pense na função que cada uma delas tem na história. Se a função da CENA 1 é caracterizar o protagonista, a cena termina quando você tiver passado todas as informações necessárias para o leitor conhecer as características mais importantes sobre esse personagem. Se a função da CENA 2 é mostrar a reação do personagem a algo que aconteceu na cena anterior, a cena termina quando entendemos o impacto emocional que o acontecimento teve neste personagem.

Toda história de ficção é como um quebra-cabeça que só revela sua imagem completa no final.

Cada cena é uma peça desse quebra-cabeça que dá pistas dessa imagem. Ao longo da narrativa, o leitor procura encontrar padrões na forma e no conteúdo de cada peça e, aos poucos, começa a criar expectativas sobre a figura que o escritor está tentando lhe mostrar.

O seu principal trabalho é entregar para o leitor peça por peça desse quebra-cabeça, de forma a deixá-lo curioso para descobrir que figura é essa e sugerir possíveis interpretações sobre o que ela significa.

Para julgar que cenas são necessárias e quais são dispensáveis, é importante que você tenha em mente a imagem completa que deseja criar com sua história.

Você não precisa necessariamente decidir isso antes de começar a escrever, mas é importante que em algum momento no seu processo de criação você considere o que espera que as pessoas pensem e sintam ao terminar de ler seu texto.

Quanto mais consciente você estiver do tipo de cena que está escrevendo e da reação que você espera provocar no leitor, mas facilidade você terá para envolver suas emoções em cada cena da sua história.

 

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos ® é uma marca registrada