Aprenda a criar realidades com palavras

Complexidade

Uma fonte inesgotável de histórias originais.

Dentre os seis ingredientes básicos de uma história de ficção, o personagem é o que mais amplia as possibilidades criativas e dramáticas da narrativa.

Ignore sua importância e você está condenado a escrever histórias mornas e pouco criativas. Invista tempo no seu desenvolvimento e você encontrará uma fonte inesgotável de histórias originais.

Digamos que três protagonistas são brevemente apresentados a você.

André. Um estudante de computação que foi contratado como estagiário por uma empresa de tecnologia.
Tiago. Um arquiteto desempregado que recebe uma ótima proposta de emprego da amante do seu pai.
Marina. Uma agente de turismo que voltou para casa depois de uma semana de férias nos Estados Unidos.

Qual deles mais desperta sua curiosidade em conhecer detalhes sobre a sua história? A minha atenção se voltou para o Tiago, e eu acredito que a sua também. Mas por quê? O que faz você se interessar mais em conhecer a história dele do que a dos outros personagens?

Todas as histórias que capturam a sua imaginação têm algo em comum: o escritor despertou seu interesse em saber mais sobre os personagens.

E todos os personagens que despertam seu interesse também têm algo em comum: no seu primeiro contato, você percebe que há algo de interessante a ser descoberto sobre eles. Algo relacionado à sua vida emocional (como eles pensam e sentem), pessoal (como eles se comportam e se relacionam), social (que papel político ou cultural eles desempenham), ou uma combinação entre as três.

No exemplo acima, é o personagem Tiago que instantaneamente provoca uma série de perguntas na minha mente. Como ele descobriu que seu pai tem uma amante? Há quanto tempo ele está desempregado? Como sua mãe vai reagir se ele aceitar a oferta?

Quanto mais complexa for a vida dos seus personagens, mais oportunidades você terá para desenvolver um enredo original para sua história de ficção.

Vamos imaginar mais detalhes sobre a vida do Tiago, o personagem do exemplo acima.

Sua mãe casou com seu pai quando ela tinha 17 anos. Ele sempre se sentiu culpado pelo fato de que sua mãe nunca conseguiu voltar a trabalhar depois de ele ter nascido.

Seu pai nem tentava disfarçar que tinha uma amante. Toda a família sabia quem ela era, inclusive sua esposa, que sofria em silêncio. Mas ela não reagia porque se sentia dependente emocionalmente e financeiramente do casamento. Era mais conveniente para todos que ninguém tocasse no assunto.

Desde que terminou a faculdade, Tiago estava desempregado. Morar em casa com seus pais estava se tornando insuportável. Não gostava de ver o pai abusando do seu poder, e ver sua mãe se sujeitando daquela maneira para manter um casamento quebrado.

Se o Tiago não estivesse desempregado (conflito social), se seu pai não tivesse uma amante (conflito pessoal), ou se ele não se sentisse culpado pela condição de dependência de sua mãe (conflito mental), não haveria história.

Isso significa que a caracterização dos personagens define o potencial criativo da história. É a combinação única de experiências, caráter e personalidade que dá complexidade a um personagem, e consequentemente a uma história.

História e personagem são dois elementos inseparáveis. O personagem é a história e a história é o personagem.

Introduza uma mudança na vida do protagonista e exponha o leitor à complexidade das decisões que o personagem precisa tomar para alcançar o desejo provocado pelo conflito da história.

Leia aqui como criar conflito na vida do seu protagonista de forma a despertar a curiosidade dos leitores em conhecer sua história.

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos