Aprenda a criar experiências com palavras

Escritores precisam aprender a viajar entre estes dois mundos

Por Steven Pressfield em 18/04/2018 Tópicos: Escrever Ficção, Inspiração
1
27

Aqui está meu modelo do universo em poucas palavras.

O universo existe em pelo menos dois níveis (ele pode existir em um número infinito de níveis, mas certamente se manifesta em dois).

O primeiro é o mundo material, a esfera física e visível em que você e eu vivemos.

E há um segundo nível. Um nível mais alto. O segundo nível existe “acima” do primeiro, mas permeia o primeiro em todos os momentos e em todas as circunstâncias. Este segundo nível é o mundo invisível, o plano do que ainda não foi manifestado, o âmbito da potencialidade pura.

Neste nível reside o que será, mas ainda não é.

Há quem chame esse segundo nível de inconsciente, alma, eu, superconsciente.

O que exatamente um artista faz?

O escritor, o dançarino, o cineasta… em que consiste seu trabalho precisamente?

Eles viajam do primeiro nível para o segundo nível e vice-versa.

Apenas isso. Essa é a grande habilidade deles.

Twyla Tharp em seu estúdio de dança, Quentin Tarantino em seu teclado, Bob Dylan quando ele pega uma guitarra ou se senta em frente a um piano. Todos eles realizam esse ato simples, mas milagroso, mil, dez mil vezes por dia.

Eles entram no segundo nível e voltam para o primeiro nível com algo que nunca existiu na esfera física e visível antes.

Uma máquina não pode fazer isso. Um supercomputador com o sistema de inteligência artificial mais potente não pode fazer isso.

De tudo que existe no universo, apenas duas criaturas podem fazer isso.

Deuses.

E você e eu.

Steven Pressfield autorizou a publicação da tradução de Diego Schutt de um trecho do texto original em inglês. É proibida a reprodução desse artigo sem autorização por escrito.

Publicidade

Sobre o Autor

Steven PressfieldLer todos os textos de Steven Pressfield
Steven Pressfield é autor de bestsellers de ficção e não-ficção, entre eles “The War of Art” e “The Legend of Bagger Vance”. Em seu livro mais recente, “The Authentic Swing”, ele compartilha em detalhes como conseguiu publicar sua primeira obra.

Um escritor tem algo a dizer sobre este texto

  1. Nayara 22/04/2018

    Oi Bom dia!Gosto de escrever meus pensamentos num diário, mas ultimamente minha mente anda viajando porque imagino que sou personagem e todas as pessoas ao meu redor também são, com isso comecei a escrever o que me vem nesse mundo imaginário, acho que isso é uma habilidade nova que eu desconhecia, estou aprendendo a me concentrar no que eu crio e o que é real.
    Pois pra mim essa descoberta é realmente novidade, gosto também de tocar violão e desenhar, ou seja, acredito que a minha criatividade está fervilhando.

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

 

Copyright 2010-2018 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos