Aprenda a criar realidades com palavras

Vale a pena ser escritor se publicar é tão difícil?

Por Diego Schutt em 12/06/2017 Tópicos: dicas, escrever, escrita criativa, inspiração
8
154
O ícone da imagem acima foi criado por Freepik do www.flaticon.com e licenciado por CC 3.0 BY.


Se quiser escutar este texto, aperte play no painel acima.

Nota do editor: Com frequência, recebo mensagens de aspirantes a escritor em crise, perguntando se vale a pena todo o esforço exigido para se tornar um bom escritor, quando as chances de ser publicado são tão pequenas e, mesmo quando se é publicado, o retorno financeiro é geralmente ínfimo. Minha resposta é sempre depende. Depende do que motiva você a escrever. 

Há quem escreva porque quer reconhecimento, fama e dinheiro. Há quem escreva porque sente um impulso incontrolável de organizar seus pensamentos em palavras. Há quem escreva simplesmente para se divertir. Entender a sua motivação para escrever é importante porque vai ajudar você a decidir, entre outras coisas, se vale a pena continuar escrevendo, mesmo diante da possibilidade de nunca poder viver de sua escrita. 

Deixo você com uma citação da escritora Anne Lamott sobre esse tópico: “Tente, aos poucos, com cuidado, abandonar a fantasia de que ser publicado vai curar você, de que vai tapar os enormes buracos dentro de você. [Ser publicado] não pode (e não vai) oferecer isso para você. Mas escrever pode.” Espero que este texto ajude você a pensar mais a fundo sobre esse assunto. 

.

Texto da escritora convidada Ruthanne Reid

Você sabe por que escreve? Essa é talvez uma das perguntas mais importantes que você precisa responder ao longo da sua carreira como escritor. Por quê? Porque haverá dias em que ninguém – incluindo você – vai acreditar que você é capaz. Nesses dias, a resposta para essa pergunta vai ser crucial.

A pergunta “Por que você escreve?” com frequência instiga uma resposta superficial. Já escutei (e dei) respostas como “Nenhum motivo especial”, “É o mesmo que me perguntar porque eu respiro” ou “Por que não?”, que são todas respostas que fogem do assunto. (Estou usando minhas próprias respostas como exemplos para não ofender ninguém).

Essas respostas não são boas o suficiente. Quando seus amigos e parentes terminam de ler seu precioso primeiro rascunho e dizem que o texto está entediante, ou se o seu editor interno grita que você nunca será tão bom quanto um escritor que você ama, ou quando bloqueio de escritor segura você pela garganta, essas respostas se provam inúteis.

Quero que você se arme com uma resposta melhor e é por isso que estou escrevendo este artigo.

Fatos difíceis sobre escrever

Alguns dias, você não vai se sentir como um escritor. Suas ideias vão lhe parecer terríveis. Seu próprio estilo vai soar pedante ou estranho ou imaturo. Uma voz irritante na sua cabeça vai sussurrar que você está perdendo tempo. Naqueles dias em que sua escrita lhe parecer algo que ninguém jamais gostaria de ler, é essencial você ter uma resposta para a pergunta sobre porque você escreve.

Nem todo mundo ao seu redor vai motivar você a escrever. Mesmo os comentários bem intencionados de pais, irmãos e amigos – que provavelmente não sabem o quanto escrever é importante para você – podem despertar dúvidas e ansiedades. Mesmo outros escritores ou pessoas que você nem conhece podem lhe desmotivar. Essas bombas de incerteza podem vir de qualquer lugar e, quando atingem você, elas se fragmentam. Elas deixam estilhaços que cortam tudo ao seu redor e fazem você sangrar por dentro. Nessas horas, quando alguém que conhece seu coração involuntariamente o fura ao questionar sua identidade de escritor, você precisa ser capaz de responder a esta pergunta.

Então por que você escreve? Por um destes seis motivos. Essa definitivamente não é uma lista completa. Seu propósito é estimular você a pensar e dialogar com sua mente. Não tenha medo de incluir suas próprias respostas.

1. Escrevemos para os outros

A estrada da vida é louca. Ela está cheia de buracos, reviravoltas e, às vezes, trechos muito mal cuidados que podem explodir seus pneus.

Nós escrevemos porque sentimos, porque enfrentamos conflitos e queremos ajudar outras pessoas a encontrar uma saída por esses caminhos difíceis. Escrevemos porque aprendemos alguma coisa que poderia ajudar outras pessoas a lidar com as surpresas da vida.

Escrevemos porque enxergamos coisas na nossa trajetória que muitas pessoas não veem e nós sabemos que isso poderia beneficiá-las.

2. Escrevemos para nós mesmos

O ato de criar traz tantos benefícios para você quanto se exercitar, comer bem e dormir o suficiente. Escrever ajuda você a desenvolver sua autoestima. Escrever alivia o estresse. Escrever permite que você deixe de lado a percepção mentirosa de que você não importa ou de que tudo que você faz é temporário.

Escrever ajuda você a ver as partes da vida que são bonitas e interessantes. Escrever ajuda você a minar seu passado, encontrar jóias na escuridão, a enxergar força e beleza em suas tentativas e erros.

Veja como Joseph Gordon-Levitt descreve o conceito abstrato de solidão em “The Tiny Book of Tiny Stories, Vol. 1”: “O Sol é uma estrela tão sozinha. Quando quer que ele apareça para ver seus amigos, todos eles desaparecem.” Eu certamente não consigo mais olhar para um amanhecer da mesma fora depois de ler isso.

3. Escrevemos para dar vida a uma história

Escrevemos porque algo que lemos (fantasia ou não-ficção) nos moveu profundamente e nós desejamos ser capazes de reproduzir aquela sensação nos nossos textos.

Não sei você, mas minha vida foi profundamente afetada por histórias que li quando jovem. Eu estava acima do peso, era impopular e simplesmente estranha. Eu não tinha amigos, mas as histórias que li me deram coragem para seguir em frente. As histórias que li me tiraram daquele mundo de infelicidade e me transportaram para um mundo maravilhoso onde, ainda que as coisas fossem complicadas, alegria e esperança eram possíveis, contanto que eu e o protagonista nunca desistíssemos.

Escrevo porque quero criar essa experiência para outras pessoas. Quero compartilhar o poder de cura das palavras.

4. Escrevemos à procura de beleza

Arte é beleza. Palavras podem ser bonitas, mesmo quando elas descrevem feiúra, abuso, tristeza e a morte de coisas importantes.

“Não se contente com um boa noite suave,
A velhice deve queimar e enfurecer ao fim do dia;
Raiva, raiva contra a morte da luz.

Embora os homens sábios em seus últimos momentos saibam que o escuro é certo,
Porque suas palavras não bifurcaram nenhum relâmpago eles
Não se contentam com um boa noite suave.” Dylan Thomas

Concorde você ou não com essas palavras, elas são evocativas. Queimar, enfurecer, raiva… cada escolha é perfeita para a sensação que Thomas queria criar em seu leitor quando considerou a luta contra a morte.

Escrever dá voz para o fogo na alma humana, o tipo que queima e brilha o suficiente para transformar mesmo a simples luz do dia em melancolia, beleza e mágoa.

5. Escrevemos por luto

Tristeza e dor precisam de um canal. Escrever nos dá a chance de ultrapassar certas dificuldades, dar voz à tristeza, o que nos dá a chance de cicatrizar nossas feridas.

Escrever nos permite organizar nossas emoções negativas com mais clareza, de uma forma administrável. A citação seguinte, ainda que seja de um livro sobre vampiros, segue sendo uma de minhas favoritas:

“Às três da manhã o sangue corre devagar e grosso, e o sono é pesado. A alma ou dorme na ignorância abençoada de tal hora ou olha para si mesma em total desespero.” Stephen King, Salem’s Lot1

Eu já passei por isso. Muitos de vocês já passaram por isso. Claramente, o senhor King também, e ele expressa isso de uma forma que ressoa em minha própria alma e a faz proclamar “Sim, é isso”.

6. Escrevemos por diversão

Essa é importante e, para alguns de vocês, vai fazer sentido. Para você que já sabe disso, pode pular esse tópico. Para o resto de vocês (inclusive eu), me escute novamente:

Você está autorizado a escrever por diversão. Você não precisa escrever para fazer dinheiro. Você não precisa escrever por algum motivo nobre. Você não precisa se tornar escritor para salvar o mundo.

Você está autorizado a escrever por diversão, simplesmente porque você sente prazer, ou para fazer parte da fantástica comunidade de quem escreve. Você não precisa nem mesmo dar explicações para pessoas que questionam seu direito de ser escritor. Se você escreve por diversão, então você tem um motivo bom e real para escrever.

“Tudo o que você precisa fazer é colocar uma letra após a outra e lembrar a sensação fantástica de ser um escritor.” Stephanie Lennox

Por que você escreve?

Eu escrevo porque me dá esperança. Escrevo porque é como se eu estivesse puxando a válvula de uma caldeira com defeito, liberando a pressão que precisava sair, de uma forma ou de outra. Escrevo porque quero transportar as pessoas para um outro mundo da forma como eu fui transportada. Escrevo por diversão.

Qualquer que seja a sua motivação para escrever, ela é ótima. Você também não precisa saber todas as respostas ainda. Você tem tempo. Explore essa pergunta à medida em que você se desenvolve como escritor. Saber sua resposta vai lhe trazer uma confiança que você nunca imaginou que tinha.

E você? Já se perguntou porque escreve? Deixe um comentário.

Sobre a autora: Ruthanne Reid é autora de ficção científica e fantasia, atualmente morando em Phoenix, Arizona, ainda que alguns digam que ela mora em sua cabeça. Eles estão certos. Para conhecê-la melhor, visite RuthanneReid.com. Esta é uma tradução autorizada do texto original em inglês. É proibida a reprodução desse artigo sem autorização por escrito.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt

Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

8 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. Cris 12/06/2017

    Eu escrevo porque os livros que sempre quis ler, não tinham sido escritos ainda. Então, eu decidi seguir o conselho de Maya Angelou e escrevê-los, um por um.

  2. Guia 12/06/2017

    Tenho vários motivos para escrever, muitos deles invocados com mestria no post. Um dos motivos que não vejo aí mencionado é que escrevo para me “envaidecer” diante dos meus amigos; que esscrevo poesia, contos infantis e para +18, tentado no romance, enfim. O que acho estranho é que eles nunca me dizem que escrevo merda (desculpem os mais sensíveis).

  3. Ron Perez 14/06/2017

    Olá. Sou o autor Ron Perez.

    O Artigo está excepcional! Porém há um problema no link de compartilhamento… não consegui compartilhar de maneira alguma! Espero estar ajudando a resolver este problema… Espero que não seja apenas um problema aqui no meu computador!

    Novamente parabenizo pelo artigo e digo orgulhosamente que sou um seguidor deste blog, onde tenho aprendido bastante!

  4. Leonardo Santos 16/06/2017

    Eu escrevo para dar vida aos meus mundos. Antigamente eu apenas gostava de ler, nunca me senti tentado a escrever nenhuma história, nem se quer um poema ou coisa do tipo. Mas um dia eu li um livro chamado Against the Gods (Contra os Deuses)

    Fiquei fascinado em como o autor era diferente dos outros. Enquanto eu continuava lendo aquilo eu me sentia cada vez mais fascinado, pois o mundo daquele livro me parecia cada vez mais real, eu conseguia sentir o mundo, os personagens, cada elemento daquele universo me parecia real de mais.

    Por causa disso eu tomei a decisão de escrever minhas próprias histórias, pois eu quero ser capaz de criar universos tão vivos quando o daquele livro.

  5. Lucia Maria Chataignier de Arruda 19/06/2017

    Aprendi a ler sozinha aos 4 anos de idade. Meu avô me mostrava livros franceses de fábulas e de arte. Escrevo desde criança. Primeiro, para criar um espaço onde eu poderia inventar um mundo sem preconceitos, já que eu sofrera de assédios e rejeições na escola. Na adolescência eu literalmente engolia livros maravilhosos dos autores franceses, americanos, ingleses, portugueses e também alguns brasileiros,especialmente Machado de Assis e Guimarães Rosa. Ganhei, nesta época um prêmio literário com a poesia “O retrato”. Adulta, ganhei mais dois prêmios. Tenho oito livros publicados (nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Paris).
    O seu texto é muito bom e esclarecedor, mas na minha opinião,o escritor escreve por paixão. Comigo é assim: um diálogo surge, um personagem me chama, um título me provoca.E surge o livro! É isso.

  6. ROSELAINE HAHN 22/06/2017

    Eu escrevo porque…ah sei lá, o motivo hoje é um, amanhã será outro, depende do meu estado de espírito, e assim imprimo nas minhas histórias ou a dureza de um espírito de porco ou a leveza saltitante de um ser desanuviado.

  7. Christiane Fenner de Souza 02/08/2017

    Eu escrevo porque crio outra memória em mim, crio um acervo de vivências para além de mim. “Mim” é café pequeno. Quando me exercito (e consigo) em arrancar palavras do indizível, crio espaço dentro de mim.

    Escrevo para fazer uma borda no furo e perceber que ele não é tão grande assim.

  8. Lara 28/08/2017

    Escrevo porque eu amo. Amo dar vida para pessoas que gostaria de conhecer. Amo causar sensações nas pessoas. Amo ser capaz de criar mundos onde pessoas gostariam de viver. Amo a ideia de criar. Escrevo porque é algo que me faz ser eu mesma.

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos