Aprenda a criar realidades com palavras

Como usar a Jornada do Herói para escrever histórias de ficção?

Por Diego Schutt em 29/04/2014 Tópicos: escrever, técnicas
2
177

Texto da escritora convidada Cláudia Campos

Quem escreve profissionalmente sabe que, às vezes, recorrer a certas técnicas de escrita ajuda a estruturar e desenvolver um texto, ou pelo menos a encontrar um ponto de partida para se começar a colocar uma ideia no papel.

Na criação de histórias de ficção, uma técnica bastante usada é a famosa Jornada do Herói, um padrão narrativo identificado pelo estudioso de mitologia Joseph Campbell. Esse padrão pode ser encontrado em histórias populares, contos de fada, mitos, rituais religiosos, e até mesmo no desenvolvimento psicológico do ser humano. Ele descreve a aventura típica do arquétipo conhecido como O Herói, uma pessoa corajosa que enfrenta grandes desafios para alcançar algo importante na sua vida.

A aventura do herói está dividida em três fases: a partida, a iniciação e o retorno.

A partir disso, Joseph Campbell definiu as 17 etapas do percurso de transformação do homem comum em herói, ressaltando os conflitos que ele enfrenta ao longo do caminho. O resultado pode ser encontrado no livro “O Herói de Mil Faces”.

Ao ter contato com essa obra nos anos oitenta, Christopher Vogler, o analista de roteiros dos estúdios Walt Disney, percebeu que a estrutura narrativa que ele tinha criado a partir da análise de diversos filmes era a mesma da Jornada do Herói de Campbell.

Tentando entender os princípios de uma boa história, daquelas que deixam o público com a sensação de ter vivido uma experiência significativa, Vogler aplicou a estrutura de Campbell a roteiros de cinema, reduziu a jornada para 12 etapas, e escreveu o livro “A Jornada do Escritor – Estrutura Mítica para Escritores”.

No Brasil, o primeiro a utilizar a metodologia foi o professor do Núcleo de Epistemologia do Jornalismo da USP, Edvaldo Pereira Lima. Quando conheceu o trabalho de Vogler, na década de noventa, ele viu potencial de aplicação da Jornada do Herói na construção de textos jornalísticos sobre a vida de pessoas reais. Foi ele quem orientou Monica Martinez na sua tese de doutorado que resultou no livro “Jornada do Herói: a estrutura narrativa mítica na construção de histórias de vida em jornalismo”.

A autora propõe uma nova formatação para a Jornada do Herói, combinando três propostas diferentes: a do mitólogo Joseph Campbell, a do analista de roteiros Christopher Vogler e a do pesquisador e docente da Escola de Comunicações e Artes da USP, Edvaldo Pereira Lima. Apesar de Martinez aplicar o método à não-ficção, ele também pode ser muito útil na elaboração de histórias de ficção, já que a melhor forma de construir personagens complexos é pensando neles como pessoas reais.

Ainda que os passos da Jornada do Herói sejam apresentados em uma sequência, não é preciso segui-los em uma ordem específica para que a narrativa funcione. Também não é necessário que todas as etapas estejam presentes na história.

A Jornada do Heróis não é um modelo fechado. Ela apresenta possibilidades que servem como ponto de apoio e orientação para a criação de histórias e personagens mais envolventes.

Abaixo, um resumo de cada uma das 12 etapas propostas por Monica Martinez. Eu usei o filme “Up – Altas Aventuras” para ilustrar cada uma das etapas com os principais acontecimentos que sustentam a estrutura narrativa da animação da Pixar.

Aviso de SPOILERS: se você não assistiu ao filme, leia apenas o que está destacado em BOLD.

 

1. Cotidiano

Apresenta o herói em seu mundo comum e introduz conflitos que serão desenvolvidos ao longo da narrativa, ressaltando as motivações do personagem para embarcar na aventura.

Up: Esta fase aparece no início do filme, dividida em duas partes. Primeiro, assistimos a uma retrospectiva da vida do protagonista, Carl Fredricksen, que nos mostra os acontecimentos entre o dia em que ele, ainda criança, conheceu sua esposa Ellie e o momento em que ela adoeceu e faleceu. A animação começa com uma cena em um cinema, onde o pequeno Carl assiste a um filme sobre seu ídolo Charles Muntz, um lendário explorador que viaja pelo mundo para descobrir plantas e animais exóticos e relíquias históricas de valor inestimável.

Ao sair do cinema, Carl passa em frente a uma casa abandonada e a voz de uma criança que brinca imitando o aventureiro Muntz chama sua atenção. Ao entrar, ele se depara com Ellie, uma garota entusiasmada e falante que também tem enorme admiração por Charles Muntz e sonha em viajar pelo mundo. Ellie mostra a Carl uma espécie de diário que ela fez, chamado “Meu Livro de Aventuras”, para colocar fotos das aventuras que ela pretendia viver no futuro. A principal delas era conhecer o Paraíso das Cachoeiras, na América do Sul, e Ellie faz Carl prometer que um dia eles viajarão juntos para lá.

Depois disso, a animação pula para o dia em que eles se casam e, a partir daí, vemos uma sequência de cenas da vida de casados de Carl e Ellie, que mostram os dois reformando a casa abandonada onde haviam se conhecido, Ellie trabalhando no zoológico e Carl como vendedor de balões, a tentativa (e a impossibilidade) de ter filhos e a ideia de economizar dinheiro para visitar o Paraíso das Cachoeiras, sonho que era sempre adiado por conta de imprevistos que obrigavam o casal a gastar suas economias, como consertar o carro ou o telhado da casa.

Quando Carl finalmente compra passagens para a América do Sul com a intenção de surpreender sua esposa, ela fica muito doente e morre. A segunda parte tem início após a morte de Ellie. Nesse momento, o filme mostra o cotidiano “sem vida” de Carl, que fica bastante amargurado ao se ver sozinho na casa que construíra com sua esposa. Aos 78 anos, Carl acorda pontualmente às 6h, toma café e vai para a varanda, onde fica observando a grandiosa construção que está sendo feita ao redor de sua casa, a única que restou intacta no bairro.

 

2. Chamado à aventura

Uma situação que provoca mudanças significativas na vida do herói e abre possibilidade para ele viver uma experiência fora do seu cotidiano.

Up: No filme, o gatilho que desencadeia a aventura acontece por fatores alheios à vontade de Carl. Muito apegado à casa, por conta dos momentos felizes que vivera ali com Ellie, e sem nenhuma disposição para morar num asilo, Carl não cede aos apelos da construtora, que insiste em comprá-la. Até que um dia, um funcionário da construtora atropela sua caixa de correio com um caminhão e, quando tenta se desculpar, leva uma bengalada na cabeça.

Após agredir o rapaz com seu andador, Carl responde a um processo e é obrigado a deixar sua casa e ir para um asilo. Porém, um dia antes de ser retirado de sua casa, ele abre o “Meu Livro de Aventuras” de Ellie e, enquanto lamenta o fato de eles nunca terem conseguido ir para o Paraíso das Cachoeiras, tem uma excelente ideia.

 

3. Recusa

O personagem decide ignorar a oportunidade de se aventurar fora do seu cotidiano porque não quer assumir as responsabilidades envolvidas. Problemas materiais, emocionais ou espirituais fazem ele abrir mão da possibilidade de aventura. Um mentor faz ele mudar de ideia.

Up: Quando Carl recebe o primeiro chamado à aventura da história, ou seja, quando se vê obrigado a abandonar sua casa, não existe a etapa da recusa, pois é ele quem toma a iniciativa de amarrar milhares de balões ao telhado de sua casa para fugir do asilo e realizar o antigo sonho de voar até o Paraíso das Cachoeiras.

Ainda assim, podemos dizer que o livro de Ellie fez o papel de mentor, dando um empurrãozinho em Carl, e levando o personagem a elaborar seu plano mirabolante. Ele não demonstra nenhuma insegurança nesse momento e não reluta em partir para sua jornada. Mas durante o filme, Carl não recebe apenas um chamado para a aventura e, sendo assim, mais para frente, o personagem vai ter um outro momento de recusa.

 

4. Travessia do primeiro limiar

O herói ainda não sabe se está fazendo a coisa certa, e precisa abrir mão de algo importante para iniciar uma nova fase da vida, que vai dar início a uma série de aprendizados emocionais e intelectuais profundos.

Up: Antes do incidente com o funcionário da construtora, Carl recebe uma visita inesperada. Um garoto de oito anos, que se parece com um escoteiro e diz ser um “Explorador da Natureza”, bate à sua porta para perguntar se ele precisa de algum tipo de ajuda.

Diante da recusa de Carl, Russell explica que o Distintivo de Ajuda ao Idoso é o único que falta para sua coleção e que, por isso, ele precisa aceitar sua oferta. Impaciente, Carl diz que um animal selvagem está atacando seu jardim e que ele ficaria muito grato se Russell o encontrasse.

Pensando ter se livrado do menino, no dia seguinte, Carl parte sossegado rumo a sua jornada, deixando para trás dois funcionários do asilo encarregados de buscá-lo. Porém, enquanto ele desfruta de sua viagem voando em sua casa-balão, é surpreendido por batidas na porta. É Russell que, procurando pelo tal animal selvagem, acabou ficando escondido na varanda de Carl. A princípio, o velho resiste e fecha a porta na cara do garoto, mas, depois, deixa-o entrar.

Neste momento, podemos dizer que Carl fez a travessia do primeiro limiar porque ele abre mão de sua individualidade, de sua solidão e, de certa forma, de seu luto, para permitir que outra pessoa entre em sua vida. A atitude de deixá-lo entrar em sua casa e em sua vida o levará a um nível de aprendizado emocional mais elevado ao final da história.

Mais uma vez, vale reforçar que este não é o único momento do filme em que percebemos a travessia de um limiar, ou seja, ao longo da animação, Carl viverá outras situações que vão obrigá-lo a abrir mão de coisas importantes, especialmente alguns aspectos de sua personalidade.

 

5. Testes, aliados e inimigos

Aqui, aparecem os personagens secundários da história, que podem ser:

Mentor: pessoa que transmite conhecimentos essenciais para o desenvolvimento do herói
Guardião do Limiar: testa o real comprometimento do herói com a nova etapa
Aliado: ajuda o herói a desempenhar suas tarefas
Vira-casaca: amigo que parece ser adversário ou vice-versa
Inimigo: obriga o herói a superar seus limites
Adversário: competidor que bloqueia o caminho
Bufão: usa ironia e humor para não deixar o herói se levar muito a sério

Up: Considerando que a história gira em torno de Carl, os personagens secundários são: Ellie, Russell, Charles Muntz, Dug (o cão), Kevin (a ave) e a Matilha (com destaque para os cães Alfa, Beta e Gama). Durante o filme, eles assumem os seguintes papéis:

Ellie: Apesar de o filme nos mostrar a vida de casados de Carl e Ellie em uma breve retrospectiva, podemos perceber que ela é uma verdadeira aliada para o marido, ajudando-o nas tarefas do dia a dia, compartilhando sonhos com ele e inspirando-o a ser mais feliz. Depois que Carl fica viúvo, Ellie continua sendo sua aliada, de certa forma, e passa também a desempenhar o papel de mentora, o que fica evidente nos momentos em que o resgate da memória da esposa provoca em Carl uma mudança de comportamento positiva. Assim, mesmo não estando mais presente em sua vida, Ellie continua transmitindo ensinamentos valiosos para o marido, e até tem a oportunidade de fazer o último chamado à aventura do filme, que acontece quando Carl descobre que o “Meu Livro de Aventuras” de Ellie não está em branco, como ele imaginava, pelo fato de eles nunca terem visitado o Paraíso das Cachoeiras, mas sim repleto de fotografias de momentos felizes que eles compartilharam. Além disso, ao lado da última foto do livro, Ellie havia deixado uma mensagem para Carl, agradecendo-o por ter dividido sua jornada com ela e encorajando-o a viver uma nova aventura.

Russell: O garoto de apenas oito anos desempenha um papel fundamental na jornada de Carl, funcionando como mentor, aliado e bufão. Apesar da pouca idade (e talvez exatamente pelo fato de ser uma criança), Russell ensina muitas coisas ao velho Carl, fazendo com que ele abandone sua personalidade ranzinza e amargurada e volte a ser um homem mais tranquilo, feliz e de bem com a vida. Além de a espontaneidade e o entusiasmo de Russell não deixarem Carl se levar tão a sério, é o garoto que encoraja Carl a dizer sim às aventuras que aparecem ao longo da história.

Kevin: Chamado de Kevin por Russell (que acha que o pássaro é macho), esta ave extremamente rara e incapaz de voar está escondida do mundo em seu remoto habitat no Paraíso das Cachoeiras. Com penas multicoloridas e brilhantes, Kevin, que na verdade é fêmea e luta para proteger seus filhotes, tem um valor inestimável para a ciência, mas poucos sabem que a ave existe. Carl e Russell, porém, dão de cara com ela quando chegam ao Paraíso das Cachoeiras e o garoto conquista sua amizade ao lhe oferecer chocolate. Assim, apesar da relutância de Carl, Kevin passa a segui-los pela floresta, e acaba desempenhando o papel de guardião do limiar, pois testará o real comprometimento de Carl com uma nova aventura que está por vir.

Dug: Assim como os outros cães de Charles Muntz, utilizados pelo explorador para encontrar um pássaro raro que vive no Paraíso das Cachoeiras, Dug usa uma coleira de última geração que transforma seus pensamentos em voz, fazendo dele um cachorro falante. Ridicularizado por toda a matilha, que o considera bobão e atrapalhado, Dug é enganado pelos cães Alfa, Beta e Gama que, para se livrarem dele durante a missão, mandam-no procurar pelo pássaro sozinho. Contrariando todas as expectativas, o dócil e amigável Dug acaba achando o pássaro, que está seguindo Carl e Russell, mas não consegue fazer dele seu prisioneiro. Apesar de ser desprezado por Carl no início, que não demonstra nenhum afeto pelo cão e só quer se livrar dele, Dug pode ser visto como aliado e mentor do protagonista. Ou ainda, se considerarmos que, mesmo sendo naturalmente dócil e amigável, Dug, na verdade, pertence à matilha de Charles Muntz e, portanto, apresenta-se como um inimigo de Carl, podemos dizer que o cão desempenha o papel de vira-casaca, ou seja, aparenta ser um adversário, mas é um amigo do herói.

Charles Muntz: Viajando pelo mundo em seu dirigível, que ele mesmo projetou, Charles descobre tesouros incríveis. Porém, quando traz para casa o esqueleto de uma fantástica ave encontrada em uma montanha da América do Sul, Muntz é desacreditado pelos cientistas. Para provar que todos estão errados, o explorador retorna ao Paraíso das Cachoeiras jurando que não voltará até encontrar um espécime vivo do animal. Por conta de sua obsessão, Muntz passa a morar nas montanhas e “dá um jeito” em todos os exploradores que aparecem por lá para capturar a ave. Ao descobrir sobre a chegada de Carl e Russell, a princípio, ele se sente ameaçado, pois imagina que eles estejam atrás do pássaro. Mas, quando ouve a história de Carl, acredita que não seja o caso e convida os inesperados visitantes para conhecer seu dirigível. Durante o jantar, porém, Russell fala sobre Kevin e Muntz muda de opinião, ainda mais quando avista a ave no telhado da casa de Carl. Quando isso acontece, Charles, e sua matilha, tornam-se inimigos e adversários de Carl.

 

6. Caverna profunda

O herói precisa cuidar dos preparativos finais para passar pela provação central da aventura, avaliando suas reais chances e estudando seu adversário. Ele vivencia um intenso processo de metamorfose, o que pode colocar em cheque alguns de seus atributos psicológicos.

Up: A viagem de Carl e Russell ao Paraíso das Cachoeiras é bastante turbulenta. Além de uma tempestade, da qual conseguem sair graças aos conhecimentos e ao GPS do garoto, os dois enfrentam um pouso complicado nas montanhas, pois, quando acreditam estar bem longe do solo, a casa começa a se chocar contra as rochas. Devido ao incidente, Carl e Russell têm que caminhar pela montanha, puxando a casa por uma mangueira, para levá-la ao Paraíso das Cachoeiras. No caminho, mesmo contra a vontade de Carl, Kevin e Dug juntam-se ao grupo, e as coisas voltam a ficar complicadas quando os cães de Muntz localizam Dug pelo GPS e descobrem que ele deixou a ave escapar, pois ela partiu em busca de seus filhotes.

Desconfiados, os cães tentam obrigar o velho e o menino a os acompanhar, mas, como Carl não pretende desistir de levar a casa até a cachoeira, Alfa, Beta e Gama chamam o restante da matilha para intimidá-los. Encurralados, Carl e Russell são surpreendidos pela presença de Muntz, que só fica tranquilo depois de descobrir o que o velho e o menino estão fazendo ali. Apesar de a história de Carl parecer improvável, Muntz acredita que ele e a falecida esposa Ellie eram mesmo seus admiradores e que Carl só deseja levar a casa-balão até a cachoeira para cumprir o que prometeu a sua mulher. Assim, Muntz os convida para jantar, mas acaba desconfiando das verdadeiras intenções de Carl (e mostrando seu lado sombrio e ameaçador) quando Russell fala que eles estavam com Kevin. A situação piora quando o explorador olha pela janela do dirigível e vê que Kevin está no telhado da casa de Carl.

Temendo pela vida da ave, pois Carl sabe que Muntz quer capturá-la, ele e Russell fogem para a casa-balão e são perseguidos pela matilha. Durante a fuga, Dug ajuda Carl e Russell a despistar os cães, mas um deles morde a pata de Kevin. Mesmo assim, eles não desistem de sua jornada e seguem carregando a casa pela mangueira até encontrarem os filhotes da ave. Mas, quando isso acontece, a matilha aparece, joga uma rede sobre Kevin e a leva para o dirigível, e Muntz coloca fogo na casa-balão antes de fugir. Carl consegue apagar o fogo, mas fica muito irritado e acaba discutindo com Russell, pois o menino o acusa de não ter evitado que Muntz levasse a ave. Dug tenta confortar Carl, mas também leva uma bronca.

Extremamente nervoso e frustrado, Carl pega a mangueira e, com bastante esforço, leva a casa até a cachoeira, completando sua aventura original. Ao chegar, ele ajeita as poltronas onde costumava se sentar com Ellie, na sala, e começa a folhear seu Livro de Aventuras. Nesse momento, ele descobre que as páginas do livro não estão em branco, como ele imaginava, mas repletas de fotografias dele e de sua esposa no dia de seu casamento, no parque, em comemorações de seus aniversários, tomando chá em casa ou simplesmente sentados em suas poltronas na sala. Ao lado da última foto, ele lê a seguinte mensagem: “Obrigada pela aventura. Agora vá ter uma nova”. Carl, então, recebe um novo chamado à aventura e percebe que sua jornada não se resumia apenas a levar sua casa até o Paraíso das Cachoeiras.

Decidido a vencer seus medos e entraves emocionais, Carl resolve dizer sim à aventura de lutar contra Muntz e resgatar Kevin. Mas quando vai contar a Russell, vê o menino sair voando do telhado da casa amarrado a alguns balões, dizendo que vai salvar a ave sozinho. Desesperado, Carl tira alguns móveis da casa, para que ela fique mais leve e possa voar novamente, e parte em direção ao dirigível de Muntz. Pouco antes de levantar voo, Dug, que estava escondido na varanda, bate à sua porta e, pela primeira vez, Carl recebe o cão com alegria e trata-o com carinho, dizendo que aceita ser seu mestre.

 

7. Provação suprema

O herói confronta o vilão, símbolo dos atributos temidos ou odiados por ele, ou seja, dos aspectos negativos de sua personalidade projetados no outro. Ao vencer o vilão, ele acerta as contas com suas próprias sombras e abandona porções obsoletas de sua personalidade.

Up: Quando Carl chega perto do dirigível de Muntz com sua casa, vê que a matilha prendera Russell e está prestes a jogá-lo para fora pela plataforma, mas consegue alcançar o menino a tempo. Preocupado com a segurança de Russell, Carl pede para que o garoto fique na casa enquanto ele e Dug vão salvar Kevin. Ao encontrarem a ave em uma gaiola, Carl e Dug despistam a matilha jogando as bolas de tênis do andador de Carl para que os cães corram atrás delas e saiam da sala onde Kevin está presa.

Mas, enquanto isso, Muntz ordena que alguns de seus cães atirem na casa-balão, onde está Russell, para derrubá-la. No meio da confusão, Dug consegue assumir o comando da matilha e Carl acaba lutando com Muntz, que cai de seu dirigível. Ao vencer Muntz, Carl está, na verdade, vencendo seus próprios medos e abandonado aspectos obsoletos de sua personalidade, como solidão, amargura, impaciência, tristeza e mau humor.

Além disso, como sua casa-balão acaba voando para longe depois que ele tira Russell de lá, podemos dizer que Carl também consegue fazer as pazes com seu passado, libertando-se da frustração que sentia por não ter realizado o sonho de visitar o Paraíso das Cachoeiras com Ellie e preparando-se emocionalmente para prosseguir sua jornada com alegria e tranquilidade.

 

8. Encontro com a deusa

Neste ponto, o herói entra em contato com os arquétipos do masculino e do feminino e tem a oportunidade de assimilar atributos opostos. Se for homem, o encontro com uma mulher pode levá-lo a desenvolver sensibilidade, criatividade, ternura e paciência. Caso seja mulher, a união afetiva será externada na forma de autoconfiança e intelectualidade forte, mas flexível.

Up: Enquanto foi casado com Ellie, provavelmente Carl foi transformado pelo relacionamento, ou seja, pelo contato com o arquétipo do feminino representado por sua esposa. Porém, depois que fica viúvo e perde “sua razão de viver”, Carl se afasta dos atributos de sua personalidade (sensibilidade, ternura e paciência) desenvolvidos e aprimorados durante a vida de casado, estimulados pela convivência com sua esposa Ellie.

Dessa forma, podemos dizer que o encontro com a deusa da história, na verdade, é um reencontro, pois acontece quando Carl se reencontra com sua esposa (e com os atributos do arquétipo do feminino) ao descobrir que ela havia preenchido seu “Livro de Aventuras” com fotos do casal. Por meio desse reencontro com Ellie (deusa), Carl percebe que pode ser feliz novamente, mesmo sem a companhia de sua esposa, e se permite viver novas aventuras ao lado de seus amigos Dug e Russell.

 

9. Recompensa

Após sobreviver às provas finais, o protagonista pode se orgulhar do título de herói, pois deixa de pensar apenas em si para se dedicar à sociedade como um todo, adquire maior consciência de sua realidade externa (conexão entre as coisas) e interna (quem ele é e como se encaixa nesta conexão) e passa a desfrutar do cotidiano de forma mais simples e realista.

Up: Depois de derrotar Muntz, Carl assume o controle do dirigível e da matilha, que está sob o comando de Dug, e leva Kevin até seus filhotes antes de retornar para casa. A partir desse ponto da história, percebemos que Carl está mais leve, paciente e compreensivo.

Ele consegue se relacionar com Russell mais facilmente, sem se irritar com seu comportamento impulsivo e hiperativo, desfrutando da alegria e inocência do menino. Além disso, ele se abre para o amor incondicional oferecido por Dug, demonstrando carinho e gratidão por ter a companhia do adorável cãozinho.

 

10. Caminho de volta

Depois de atingir sua meta, celebrar a vitória e assimilar as lições, o herói inicia o caminho de “volta para casa” para contar o que viu e aprendeu. Seu desafio final é transmitir seu aprendizado para pessoas que não viveram a jornada, beneficiando a todos.

Up: No filme, esta etapa é representada pelo retorno de Carl (juntamente com Russell, Dug e a matilha) para o local onde vivia antes de começar sua jornada. Porém, apesar de voltar para a mesma cidade, Carl deixa para trás sua casa, o que simboliza a ruptura com amarguras do passado e atributos negativos de sua personalidade.

 

11. Ressurreição

Este ponto é como um ritual que prepara o herói para reingressar na sociedade de onde ele partiu, onde ele  demonstra compaixão pelas alegrias e tristezas vividas pelos homens e mulheres de sua comunidade, e aceitar que suas visões podem não ser compreendidas ou respeitadas pelos demais.

Up: A mudança de comportamento de Carl fica ainda mais evidente quando ele acompanha Russell na cerimônia dos Exploradores da Natureza e lhe concede o distintivo “Ellie”, por ajudar um idoso e fazer muito mais do que o seu dever. Ao participar desse evento que é tão importante para o menino e condecorá-lo com um distintivo, Carl está vivenciando o ritual que o prepara para reingressar na sociedade.

 

12. Retorno com elixir

O herói volta para a mesma casa ou cidade, mas enfrenta o seguinte paradoxo: ao mesmo tempo em que tem uma visão mais ampla do que seus contemporâneos e privilegia sua missão em detrimento de suas próprias ambições, ele ainda está no mundo e precisa lidar com suas imperfeições. Aqui, deve-se ressaltar o elixir, ou seja, o tesouro trazido pelo herói de sua jornada, que pode ser concreto (dinheiro) ou abstrato (sabedoria e paz).

Up: O elixir que Carl traz de sua trajetória é a capacidade de voltar a ser um homem mais tranquilo, sensível e feliz, que consegue deixar de lado as tristezas do passado e se abrir para o novo, sentindo-se alegre por ter novos amigos (Russell e Dug) e poder começar uma nova jornada.

A cena final da animação deixa isso bem claro ao mostrar Carl, Russell e Dug sentados na calçada, tomando sorvete e contando os carros azuis e vermelhos que passam na rua. Uma cena simples, mas que diz muito sobre o que nosso herói conquistou em sua jornada e o que ainda está por vir.

.

Tente identificar a Jornada do Herói em outros filmes e livros que você gosta. Desconstrua essas histórias a partir das 12 etapas propostas por Monica Martinez e avalie se a teoria faz sentido para você. Depois, pense em como esse padrão narrativo pode ajudar você a construir universos de ficção mais envolventes.

Sobre a autora: Cláudia Campos é jornalista, especialista em Revistas Segmentadas e Gestão de Marketing de Serviços e escritora iniciante. Já trabalhou como professora de inglês e redatora de uma revista de variedades e, hoje, atua na área de Comunicação Empresarial. Este ano, motivada a voltar a escrever textos de ficção e não-ficção, decidiu fazer um curso de Escrita Criativa e, em breve, pretende lançar um projeto em parceria com amigos que estão começando ou voltando a se aventurar no universo das narrativas.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

2 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. PC Oliveira 04/12/2016

    Excelente texto! Ajudou-me a enriquecer minha nova aventura fantástica. Parabéns!

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos