Dicas e técnicas para escrever livros e roteiros para cinema e tv.

Uma carta para minha sobrinha.

Por Diego Schutt em 19/09/2013 em destaque, inspiração, meus textos
8
109

Esta carta é para minha sobrinha, é também para meu sobrinho, e para você que gosta de mojitos e risadas.

Meu primeiro impulso é ser poético, dizer pra você tomar banho de cachoeira com os olhos fechados, beijar de língua em câmera lenta, e falar sim mesmo quando o coração bater gritando não. Mas o mundo está recheado de autoaujuda para inspirar você a viver o aqui e agora.

Então escrevi esta pequena lista de coisas práticas que aprendi sobre as primeiras três décadas da vida. Não são regras, ou dicas, ou orientações. São só coisas minhas que eu desejo com dedos cruzados que façam algum sentido para você.

Não fique brava com as pessoas que dão roupas de presente ao invés de brinquedos. Tenha piedade da suas memórias fracas que já esqueceram o quanto isso é frustrante para uma criança.

De vez em quando, você vai sentir uma vontade louca de empurrar seu irmão lá de cima do escorregador. Conte até cem. Se a vontade não passar, empurra ele, mas só o suficiente para mostrar que é você quem manda.

Se ameaçarem você com uma surra de cinto, obedeça aos comandos da pessoa imediatamente. Se isso acontecer e você já for adulta, escolha uma palavra de segurança e divirta-se.

Quando disserem para você que escovar os dentes e passar fio dental é importante, acredita. Assim como os olhos são a janela para a alma, a boca é a porta de entrada do intestino. Leva higiene bucal a sério para o bem da sua saúde e da sua vida social.

Sua mãe e seu pai vão fingir ter respostas para tudo. O que parecer mentira, anota num caderninho e pesquisa quando crescer. Você vai descobrir que em muitos casos eles estavam tão assustados e perdidos quanto você.

Quando mandarem você para a cama cedo demais, fecha os olhos e finge dormir até ficar sozinha. Daí abre um livro e cai no sono dentro de uma história. É a melhor forma de enfeitar seus pensamentos.

Não acredita quando falarem para você que monstros não existem. As pessoas que dizem isso são as que mais têm medo deles.

Vão dizer que você é linda, ou feia, ou gorda, ou magricela, ou inteligente, ou burra, ou egoísta, ou tímida, ou dada. Não deixa esses rótulos levantarem ou abaixarem sua autoestima. Ninguém sabe o que você é. As pessoas mal e porcamente sabem o que elas são e usam as outras como espelhos para se enxergar.

Você vai passar anos sendo programada para ser igual a todo mundo. Se mais tarde você não procurar pelas suas estranhezas peculiares e assumi-las com orgulho, você realmente será igual a todo mundo.

Ser igual a todo mundo vai proteger você de muito sofrimento, mas você vai perder a oportunidade de descobrir o que há por trás do arco-íris, porque estrelas não caem do céu, e que cor tem a saudade.

Use a palavra amigo só para aquelas pessoas que você tiver vontade de abraçar pelo menos quatro vezes ao mês. Sempre que possível, abrace essas pessoas pelo menos quatro vezes ao mês.

Quando você cansar de ser criança, não jogue seus brinquedos fora. Guarde pelo menos aqueles que ganhavam vida quando vocês brincavam. Mais tarde, você vai encontrar milhões de respostas sobre sua personalidade olhando para eles.

Muitos professores vão julgar sua inteligência a partir de ideias antiquadas e livros velhos. Sempre procure por respostas próprias para tudo que aprender.

Vão falar para você de Deus e de Jesus e chamar você de pecadora só por ter nascido. Não importa. A única coisa que faz sentido em religião é a fé. Acredita em qualquer coisa, mas acredita em alguma coisa.

Eventualmente alguém vai oferecer para você sensações boas para aspirar, injetar e engolir. Isso até pode ser divertido vez ou outra, mas antes de mexer com a química do seu corpo, encontre pessoas e situações que façam você se sentir nas nuvens só dando risadas.

Escolha uma profissão que não pareça trabalho, que faça você se sentir culpada quando receber dinheiro no fim do mês. Ainda assim vão haver dias que você vai pensar se não teria sido melhor escutar os aconselhamentos profissionais dos seus pais. Acredite, não teria.

Alguém vai quebrar seu coração apaixonado e você vai experimentar o fim do mundo. Documente sua dor em diários, tire fotos de lágrimas e faça vídeos de ataques de fúria. Se isso acontecer outras vezes, esses registros são prova de que você consegue sobreviver ao fim do mundo.

Se estiver feliz demais, saia da sua zona de conforto. Se estiver triste demais, pare de exagerar. Me procure para conversarmos sobre as exceções.

E finalmente, quando você se sentir perdida, sem rumo, questionando todas as suas decisões passadas, o sentido da vida, se está com a pessoa certa, se está trabalhando com o que ama, ainda se perguntando em segredo o que você quer ser quando crescer, sentindo que cada vez mais sabe menos sobre a vida, e as pessoas, e tudo o mais, me liga e vamos celebrar seus 30 anos com mojitos e risadas

Bem-vinda ao (meu) mundo.

Diego Schutt

Sobre o Autor

Diego SchuttVer todos os artigos por Diego Schutt
Diego Schutt é escritor e especialista em storytelling e criação de universos de ficção. Estudou escrita criativa na Austrália, Suíça, Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e até mesmo no Brasil. Há 5 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português, que oferece serviços de consultorias individuais, além de cursos e oficinas de formação de escritores.

8Comentário

  1. Que carta incrível, mesmo eu, distante da sua relação com sua sobrinha, me emocionei com o que li. Quem dera as pessoas pudessem receber conselhos tão valiosos de uma pessoa especial. Pretendo adotá-los para mim, são realmente muito profundos. Parabéns!

  2. Tania R. 24/09/2013

    Acho, melhor, eu tenho a certeza que esta foi a melhor carta que eu alguma vez li.
    Foi muito emocionante.. e ao mesmo tempo divertida!
    Deu-me vontade de come^ar a escrever de novo.

    Parabens pelo Blog fantastico que inspira milhares de pessoas.

    P.S. Desculpe pelos erros, o meu computador nao tem o Portugal instalado.

  3. Pedro Lourenço 26/09/2013

    Genial (e emocionante). Pode ter certeza que guardarei esta carta para mostrar aos meus filhos (e sobrinhos).

  4. Severina Pereira Salim 09/10/2013

    Ei esse menino que linda carta.
    Todas as crianças deveriam receber uma carta dessa.
    eu estou aqui tentando ser escritora infantil. Estou gestando
    uma história infantil. Convidei uma amiga pra me dar uma mãozinha
    na escrita e vou convidar algumas cças p me ajudar ilustrar. Penso que vamos dar conta…bjos bjos

  5. Eduardo 25/11/2013

    Que texto, meu caro! Vou compartilhar aos quatro cantos, e avisarei que veio daqui.
    Incrível!

  6. Paulo Rangel 26/11/2013

    Por intermédio do meu irmão acima citado (Eduardo), li esse seu texto e pude voltar no tempo e reviver algumas de suas aventuras já vividas, hj dou risada de algumas…nos meus 35 anos de vida é legal saber que passamos por situações muito parecidas…Belo Texto, abraços.

  7. Igor 30/12/2013

    Por favor, perdoa o palavrão, mas não tem palavra que descreva melhor esse texto do que “FODA”! Nem mais, nem menos. Adorei! Parabéns, Diego!!! Quero mais…

  8. Alan 09/04/2014

    Concordo com o Igor. FODA é a melhor maneira de falar sobre a qualidade do texto.

Adicionar comentário

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Copyright 2014 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos ®