Aprenda a criar realidades com palavras

Dica 92: Descubra qual a melhor mídia para sua história.

Por Diego Schutt em 21/08/2012 Tópicos: dicas
5
5

Livros, filmes, seriados de televisão e peças de teatro têm características e linguagens diferentes. Descubra qual a melhor mídia para o tipo de história que você quer contar.

Livros

Um livro conta uma história a partir do ponto de vista de um ou mais narradores. É a mídia ideal se você quer explorar em detalhe o mundo interior dos personagens, focar a narrativa em conflitos mentais, ou deixar que a imaginação das pessoas participe do processo de criação do seu mundo de ficção.

Filmes

Um filme conta uma história através da criação de um mundo ficcional visível. É a mídia ideal se você quer explorar conflitos pessoais ou sociais, se a história que você quer contar é rica em detalhes visuais específicos (vestimentas, cenários, aparência física dos personagens, etc), e é importante que as pessoas vejam esses detalhes exatamente como você os imaginou.

Séries de Televisão

Uma série de televisão desenvolve uma ideia em diversas mini histórias. É a mídia ideal se você quer explorar toda a complexidade de conflitos pessoais e sociais, se você quer desenvolver diversos personagens simultaneamente, e se o tema central da série pode ser dramatizado em diversas situações diferentes.

Peças de Teatro

Uma peça conta uma história através de um monólogo ou diálogo entre personagens. É a mídia ideal se você quer explorar conflitos mentais ou pessoais que podem ser dramatizados com poucos atores e cenários.

Leia as dicas 1 à 50.

Leia as dicas 51 à 100.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

5 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. Gean Riwster 21/08/2012

    Tenho que concordar com suas análises.

    O livro explora esse lado mais mental sim.Comparando o livro com o filme (em que há várias adaptações até),o primeiro fato é a longitude da história, onde várias pequenas histórias que não parecem de cara tão importante, reúnidos, você percebe que aquilo na verdade cria um vínculo maior com os personagens, mas que geralmense são cortados na criação do roteiro/filme. E a outra vantagem é realmente os pensamentos. Percy Jackson e os Olimpianos, que ultimamente tá na lista de Best-Sellers do The New York Times, foi cotado para ser o sucessor de Harry Potter por serem parecidos até no trio parada dura (Um cara medroso para dar uma maneirada em situações tensas com humor, uma menina inteligente pra karalho, e um cara, o principal, que explora um mundo completamente novo e desconhecido), ou cenário “mágico”, sendo eles as “escolas” de ambos heróis. quanto Percy Jackson teve sua adaptação… houve não só críticas dos fãs, mas também não teve um sucesso comercial como o esperado. A Fox continua persistindo na série, mas acho que o fator que mais pesou foram os pensamentos do Percy, que sempre eram cômicos e mostrava o quanto ele era ingênuo e carismático, e tudo isso foi destruído na adaptação. Por isso a pequena vantagem do livro ao filme também.

    Mas Filme utiliza imagens, e como vários sabem, “Uma imagem representa mais que mil palavras….” Só precisa ser bem feito.

    Uma Série é nada mais que mini-histórias com vários enfrentamentos de realidades e situações distintas dos personagens principais, sendo ele a(s) pessoa(s) (um exemplo de seriado que gosto, e deixa isso evidente é Dr. House), ou o próprio cenário (creio que Lost mostrou muito isso, mas talvez esteja enganado). Sempre séries vão ter também o círculo principal da temporada, que é a de longo prazo (geralmente do começo ao fim, quando nesse último eles conseguem alcançar o objetivo). Há adaptações de livro nessa área também. Uma que ficou até famosa e também está na lista do The New York Times, é a adaptação das “Crônicas de Gelo e Fogo”, Chamada The Game of Thrones.

    E Peças de teatro, resumindo, é nada mais que crônicas e contos, com suas raízes na vida real pura, ou que a mostra de uma maneira subjetiva que às vezes deixa-a mais profunda.

    Bem, corrija-me se estiver errado, Diego 😉
    E, se fosse para adaptar o livro (o que nós fazemos) para alguma mídia, iria preferir se fosse série, por ser mais fiel ao livro em vários aspectos.

    Gean Riwster

  2. Oi Gean

    A adaptação de livros para o cinema ou séries de tv tem o desafio de transformar as palavras em imagens. Em mídias audiovisuais, convergir os pensamentos e sensações dos personagens passam a ser responsabilidade dos atores. São eles que, através dos diálogos e comunicação não-verbal, deverão transformar em imagem a angústia, ou preocupação, ou confiança, ou qualquer outra sensação dos personagens. T

    ambém é possível que um dos personagens narre alguns trechos da história (voice over), ajudando a guiar a percepção da audiência para compreender melhor os seus pensamentos e sensações.
    sds
    Diego

  3. Manoel Amaral 08/09/2012

    Diego,

    Acho que as Aventuras do osvandir darão um belo filme, um avião cai no meio da floreta amazonas, com vinte passageiros e cada um com sua especialidade, contibuem para ajudar duas tribos de índios: um de loiros e olhos azuis e outra de índios negros…

    Deixo o resto para você ler no blog:
    htt://osvandir.blogspot.com.br

  4. Pedro 17/06/2013

    Você não considera novelas não? Eu procuro por dicas sobre construção de novelas. Eu tenho o começo de toda a história, mas eu sinto dificuldade em por no roteiro…

    Desde já agradeço.

  5. Diego Schutt 19/06/2013

    Oi Pedro

    Quase todas as dicas do Ficção em Tópicos são aplicáveis a roteiros. Os princípios de uma boa história são os mesmos. Lógico que a linguagem cinematográfica é diferente da literária. Um roteiro não é um “produto final”, mas um guia para produtores, diretores e atores darem vida à história. Mas tudo começa no texto do roteirista.

    Em breve, vou começar a escrever mais especificamente sobre roteiros para cinema e televisão.

    O site http://dicasderoteiro.com tem bastante conteúdo sobre o assunto também.

    Espero que ajude.
    sds
    Diego

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos