Aprenda a criar realidades com palavras

A diferença crucial entre escrever livros e ser escritor.

Por Diego Schutt em 05/03/2012 Tópicos: escrever, inspiração
18
56

Esta entrevista com o escritor português José Jorge Letria me fez pensar sobre uma pergunta crucial que todos que escrevem histórias de ficção devem se fazer:

Você quer escrever livros ou você quer ser escritor? Sim, existe uma diferença entre um desejo e outro.

Se você quer escrever livros, você deseja ser um autor.

Você acredita ter ideias originais para desenvolver boas histórias. Você acredita que algumas dessas histórias tem o potencial de despertar o interesse de um grande número de pessoas e do mercado editorial. Seu grande objetivo é desenvolver a habilidade de manter o leitor interessado no enredo da sua história, da primeira linha até o último ponto final. Você enxerga palavras como ferramentas para transmitir suas ideias e pensamentos para o leitor.

Se você quer ser escritor, você deseja ser um pensador.

Você acredita que sua visão peculiar sobre o mundo pode enriquecer a forma como outras pessoas constroem suas realidades. Você acredita que suas palavras têm o potencial de levantar perguntas sobre temas universais, consciente de que tais questionamentos são mais importantes do que as respostas. Seu grande objetivo é desenvolver a habilidade de fazer o leitor olhar para o mundo a partir de uma perspectiva diferente, mais rica, mais complexa, mais plural. Você enxerga palavras como aliadas na sua busca por expressar para o leitor a complexidade da experiência humana.

Se você decidir que quer ser escritor, abaixo estão quatro das dicas mais importantes que o José Jorge Letria compartilha nesse vídeo:

1. “Ser escritor é […] um trabalho rigoroso e exigente. E que ninguém se convença que só por ter jeito ou habilidade consegue tornar-se escritor.”

2. “Raro é o dia em que eu não escreva. Com disciplina, com dedicação e com exigência. Só assim um autor pode conquistar o seu lugar e assumir-se também como um profissional daquilo que faz.”

3. “Escritor, como um músico, um pintor, como um coreógrafo […] precisa de ter uma enorme dedicação, uma grande capacidade de entrega àquilo que escolheu para ser o seu trabalho.”

4. “Se quiserem ser escritores, escolham esse caminho sem hesitação, mas sempre com a convicção de que é preciso trabalhar muito para se merecer esse título.”

Assista a entrevista no vídeo abaixo.

jardineiro-de-ideias-ficcao

Quer colocar as dicas abaixo em prática junto com o criador e editor do Ficção em Tópicos? Conheça o Jardineiro de Ideias, um curso de escrita criativa TOTALMENTE ONLINE que você pode fazer de qualquer lugar do Brasil ou do mundo. Saiba mais clicando aqui.

E você, quer escrever livros ou ser escritor?

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

18 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. Renan Barcelos 09/03/2012

    Não sei se concordo com a definição de escritor que mostrou. Ou melhor, acho que falta algo nela. Talvez seja apenas uma opinião um pouco equivocada, ou meio egocêntrica, mas acho que escritor não é só aquele que quer passar todo o drama do seu personagem (o que é algo sublime), ou aquele que quer tocar a vida das pessoas (que é algo carregado de poesia), ou mesmo só aquele que quer trazer mudanças reais para a sociedade(que, nossa, é tão necessário hoje em dia).

    Penso que ainda existe outro tipo de escritor.

    Aquele escritor que é tão somente e simplesmente um contador de histórias. Talvez suas histórias não mostrem todo o drama que poderia mostrar, talvez não toque a vida das pessoas e muito provavelmente não vai mudar a sociedade, mas é uma história sincera, algo surgido de sua alma, que vibra a cada passo e se constrói com cada palavra redigida, mesmo aquelas sentenças que muitos dizem não serem necessárias. Um escritor que escreve com paixão pelo que faz, ou talvez por uma noção de dever que se impôs, por saber que existe algo a ser dito, um escritor que escreve porque uma coisa não sai nunca de sua cabeça: ele tem uma história para contar. E uma história que só ele pode contar, que nunca será vista por ninguém caso ele não sue, sangre e sofra por todos os seus dias para pesquisar, para entender, para escrever.

    E no final, tudo o que ele quer é contar uma boa história, se esforçar para que o seu mundo, que existe apenas por sua concepção, seja bom o suficiente para ser ouvido. Por que ele tem uma história para contar.

    E histórias existem para serem contadas.

    Acho que também temos falta desse tipo de escritor.

  2. Diego 15/03/2012

    Oi Renan

    Entre esses dois extremos que apresentei no texto, acredito que existem outros tipos de escritores, como o que você comentou.

    A diferença que eu quis enfatizar entre autor e escritor está na motivação principal de um e outro para escrever.

    O autor de livros escreve por motivações externas.

    O escritor escreve por motivações internas, que inclui do tipo de escritor que você citou.

    Obrigado pelo seu comentário.
    Diego

  3. Marvson 17/03/2012

    Sobre o que Renan falou, acho que o que falta para esse tipo de escritor é um pouco de instrução. Tenho uma história única em minha cabeça faz tempo. Uma mitologia complexa e nova, como a grega e romana. Porém, enquanto tenho a história, não tenho um protagonista. Faz bastante tempo que tenho tentado desenvolver alguém, e além disso falta o principal: começo. Se eu começar um texto por alguma cena, não paro de escrever, mas o início…. Gostaria de ver algumas dicas mais concretas de como começar, mas não algo para prender algum suposto autor, algo somente para começar, se há alguma dica?

  4. Diego 19/03/2012

    Oi Marvson.

    Sugiro que você leia dois textos:

    Por onde começar a escrever um texto e como transformar suas ideias em histórias?

    17 técnicas para captar a atenção do leitor nas primeiras linhas da história.

    Ambos sugerem técnicas práticas para começar a escrever uma história.

    Espero que os textos ajudem.

    Obrigado pela leitura.

    att
    Diego

  5. Renan 19/03/2012

    Não sei se pode postar links para outros lugares, mas nesse site estão fazendo posts sobre criação de personagem também.

    http://trapeixe.wordpress.com/

  6. Diego 21/03/2012

    Oi Renan

    Muito bons os seus textos sobre criação de personagens. Obrigado por compartilhar o link.

    sds
    Diego

  7. Lucia S. Couto 27/12/2012

    Olá! Que experiência mais interessante, transmitida assim, com o intuito de passar para o outro um aspecto claro da labuta diária de um escritor já estabelecido como tal! Basta ouvir, compreender e agradecer a oportunidade preciosa que temos nós de compartilhar um pouquinho desse gigante, que é o José Jorge. Muito bom. Parabéns pela iniciativa.
    Lucia.

  8. Diego Schutt 27/12/2012

    Oi Lucia

    Legal que você gostou do vídeo. Obrigado pela mensagem e pela leitura.

  9. Ketelin Machado 20/04/2013

    Olá, gostei muito da estrevista com o escritor José Jorge Letria, e ainda mais as definições de querer ser um escritor e escrever um livro. Queria dizer que meu maior sonho desde os 12 anos de idade é ser uma escritora, hoje com 16 anos estou no meio do terceiro livro de minha série, posso dizer que não consigo parar de pensar “O que escrever hoje?” e sinto muita reprovação de colegas e amigos meus por eu optar estar escrevendo meu livro e não estar conectado em alguma rede social, mais fazer o que? Não consigo parar de escrever.
    Tenho uma grande dúvida, queria saber se para mander meu livro a alguma editora tem que o registrar primeiro ou não?
    Obrigada pela atenção!

  10. Diego Schutt 28/04/2013

    Ketelin, quem não gosta de escrever não entende como as palavras ardem até que a gente coloque elas no papel. Ótimo saber que você não se deixa intimidar e segue escrevendo. 😉

    Não é absolutamente necessário, mas é recomendável que você registre seu livro antes de enviar para editoras.

    Obrigado pela leitura e pelo comentário.

  11. henrique 17/09/2013

    Muito bom e explicativo a idéia de cada um aqui apresentados. Vou guardar para minha experiência a expressão de cada pensamento aqui. Assim como voces, amo escrever. Escrever sobre tudo…Estou desenvolvendo um trabalho que ainda necessita de muita coisa por isso quero ganhar mais experiencia!

  12. Stefania Souza 30/04/2014

    Extasiada aqui.
    Jamais pensei desta forma, e fiquei muito satisfeita com a tua visão, que abriu não somente os meus olhos, mas minha criatividade. Texto simples, vídeo simples, e de impacto máximo na minha vida.
    Apenas o fato de eu começar a pensar no que eu gostaria de ser enfim, matou uma charada estática, que me corroía a anos. Pronta para pensar, daqui em diante. Absorvendo tudo. Posso reverenciá-lo com agradecimento?? Meu muito obrigado.

  13. cinthia 13/05/2014

    Amo ler e depois de ler tantos livros decidi escrever o meu proprio livros estou no comeco ainda. mas sempre fico por horas ao dia na frente do computador escrevendo, assumo que tenho boas ideias mas tirar da mente e vim por no papel é um pouco complicado. mas enfim…

  14. Karoline de Pietro 12/10/2014

    Simplesmente adorei tudo que li aqui, textos e comentários que parecem expor exatamente as dúvidas que tenho sobre ser autora de um livro. Só fiquei com uma questão pendente, e gostaria de saber, quando o tao sonhado livro estiver pronto, como vou fazer para q seja lançado? Para onde devo ir só pra começar?

  15. Author
    Diego Schutt 17/10/2014

    Oi Karoline

    Este artigo fala sobre o que fazer quando terminar de escrever o seu livro: http://ficcao.emtopicos.com/2012/09/o-que-fazer-quando-terminar-de-escrever-o-seu-livro/

    Espero que ajude.
    sds
    Diego

  16. Antenor Ferreira Jr. 25/02/2015

    Olá. Compartilho com Renan Barcelos suas considerações sobre a questão do autor/escritor ser aquele contador de estórias. Sou um assim. Contador de estórias, mas para crianças. De todas as idades, de todas as culturas. É muito bom mesmo. Eles criticam com os olhos. Se eles acabam de folhear um livro e voltam a rever as páginas é porque o livro é bom. Existem crianças que abraçam e dormem com o livro ao lado da cama. Esse livro é bom também. É mágico escrever para crianças. Por isso estou militando nessa carreira: ser um escritor infantil. Depois de ter escrito mais de duzentos contos infantis para todas as idades, consegui editar meu primeiro livro: A morada de Tupã, ISBN 978-85-66653-34-2. Editado pela RHJ de Belo Horizonte, selo Baobá. Inscrito no PNBE Temático de 2015. Disponível nas estantes e sites das livrarias Cultura, Martins Fontes e Saraiva e também no site da Editora Baobá. Gratificante quando uma editora acredita no seu trabalho porque julga-o bom. Valeu a pena tanto tempo de espera. E virão outros por aí. E agora sei que essa demora toda, em todos esses anos, ocorreu para que eu fosse aprimorando meus textos, melhorando, refinando até que conseguisse meu intento. E novas edições estão vindo por aí. Meu acervo é muito grande. Abraços e sorte para todos.

  17. Liane 24/11/2015

    Diego, adorei seu texto e vídeo. Uma pergunta, quando você descobriu que queria ser escritor? Como soube que aquilo era uma profissão para seguir?
    Obrigada!

  18. Vera Lara 25/10/2016

    Gostei muito do seu texto, Diego, esclareceu bastante.
    Comecei a me interessar por livros, praticamente pouco depois de me alfabetizar, lia livros de muitas paginas e nenhuma gravura, hoje sendo pedagoga entendo que não é tão comum, já que as gravuras chamam a atenção das crianças para a leitura nessa fase inicial.
    Me identifiquei muito com o que Renan Barcelos disse em seu comentário.
    Voltarei sempre ao blog, obrigada, Diego!

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos