Aprenda a criar realidades com palavras

Como criar um documentário que mostre a verdade sobre um tema.

Por Diego Schutt em 15/02/2012 Tópicos: técnicas
8
5

Documentários são histórias baseadas em fatos reais. Eles têm como objetivo principal registrar, sensibilizar, ou informar pessoas sobre um determinado tema ou personagem.

Muitos documentaristas têm como princípio um evidente ativismo social. Estes comumente seguem a seguinte estrutura narrativa em seus filmes:

1. Exposição de um problema.
2. Explicação sobre que ele significa.
3. Formas como o espectador pode ajudar.

Esse tipo de estrutura geralmente apresenta as ideias do documentarista em um tom didático, procurando conduzir as pessoas a concluírem o que ele quer que elas concluam. Nesse caso, o documentário serve mais como uma forma de reforçar a opinião das pessoas que concordam com aquele ponto de vista, do que para levantar questões pertinentes e instigar debate sobre o assunto entre pessoas com diferentes perspectivas.

É importante que o documentarista tenha consciência da sua inevitável parcialidade.

Um documentário é uma declaração pública de opinião, direta ou indireta, sobre um assunto. Mesmo que essa opinião seja camuflada no filme, ela deve ser clara para o roteirista.

Não existem documentários objetivos. Por mais que eles sejam baseados em fatos, há sempre um ponto de vista guiando a construção de uma história. Um documentário é apenas uma dentre inúmeras outras formas de se examinar e analisar um assunto. Somente a partir do entendimento de sua voz e suas motivações que o roteirista pode reconhecer sua parcialidade em relação ao tema do documentário, e reconhecer abertamente seu posicionamento.

Isso abre a possibilidade para que se explore todo o roteiro do filme a partir desse ponto de vista. O objetivo do documentário, nesse caso, não é convencer pessoas do ponto de vista do escritor, mas contextualizar a história de forma a ajudar as pessoas a entenderem o ângulo que está sendo explorado, mesmo que elas não concordem com essa visão.

O documentarista deve abrir espaço para ambiguidade.

Os documentários mais envolventes oferecem pontos centrais sobre um tema, permitindo que a audiência desenvolva suas próprias ideias e tire suas próprias conclusões. As pessoas gostam de conectar os pontos sozinhas, e o resultado disso é mais impactante do que entregar ideias e argumentos mastigados para elas.

Em todas as decisões em relação ao filme, o documentarista deve sempre ter em mente as respostas para as seguintes perguntas:

1. Qual é seu objetivo, sua missão, porque você está fazendo esse filme?
2. Qual é a emoção principal que você deseja que a história alcance?
3. Que mensagem você deseja que a audiência extraia ao final da história?

Um bom ponto de partida para um projeto é responder a essas perguntas e trabalhar ao contrário: pensar em como se pode transmitir essa mensagem fazendo a emoção principal emergir na narrativa, de forma a alcançar o objetivo do filme.

Um documentarista deve viver a história que está filmando para que ele possa desenvolver a história de dentro para fora, não de fora para dentro.

Ele deve escutar o que cada personagem tem a ensiná-lo; aceitar o que é incontrolável, as contradições, os paradoxos, mesmo que eles vão na contramão da sua visão sobre o tema. É dessa forma que se constrói documentários baseados na verdade. Não em uma verdade absoluta, mas na verdade do documentarista, que, afinal de contas, é a única que ele pode oferecer.

.

Texto inspirado pela palestra “Alquimia do cinema e a reinvenção das histórias.” por Mandy Leith, parte do Reinvention Summit, seminário online realizado no final de 2010 sobre a arte de contar histórias. Os diferentes convidados exploraram em suas apresentações diversos aspectos sobre a construção de narrativas e formas de engajar pessoas através de histórias que criem conexões e desenvolvam relações. Leia os resumos das principais ideias e insights de outras palestras do Reinvention Summit.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt

Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

8 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. Olá DIego,

    Fico feliz por achar respostas que me ajudam no seu material.

    Abraço grande,

    Graziela

  2. Diego Schutt 19/06/2013

    Que bacana Graziela

    Você está trabalhando em um documentário?

    Obrigado pela mensagem.
    abs
    Diego

  3. Alice Ramos 04/09/2013

    Olá..
    Bom, tem como fazer um documentário com 3 pessoas?
    Estou fazendo um sobre padrões de beleza e não consegui encontrar muitas pessoas..
    Aguardo resposta, obrigada!!

  4. welliton 20/10/2013

    vou fazer um documentário na escola e gostei muito da dica

  5. timoteo comapa 25/10/2013

    ola meu amigo , com um projeto , mais preciso de mais informaçao e dicas na produçao de um documentario sobre bio diselem um motor homer partes serao filmadono brasil e parte na venezuela ,priciso de toda ajuda possivel q vc puder me direcionar agradeço e estou aberto a ideiass

  6. taise taborda 30/10/2013

    estou fazendo um documentario historico, tenho visitado pessoas que construiram a historia do municipio onde moro depois irei edita-lo para apresentar no museu, pode me ajudar????
    foi muito esclarecedor …

  7. Tiago 17/01/2014

    Olá,

    Não sou do mundo cinematográfico, mas procurando no google algum lugar para dar algumas idéias para que roteiristas, pessoas que entendem do assunto, esse foi um dos sites que achei para expôr a idéia e alguém possa pesca-la e documenta-la, as idéias são as seguintes:

    a)Malha Ferroviária no Brasil: O Brasil, um país continental, rico, deveria investir mais em TRENS, para as pessoas se deslocarem por ele, não só pessoas, mas também trens de carga, é um meio de transporte mais seguro, e mais rápido, que estradas, e mais baratos que Aviões. Em ano de copa do mundo no Brasil, nem se cogitaram fazer linhas de trens para transportar as pessoas entre as cidades sedes da copa, prevejo caos nos aeroportos, e passagens caríssimas.

    b) poluição sa baía de Guanabara: Eu como morador do rio, passo quase todos os dias em frente ao rio maracaná, em frente ao estadio, e vejo uma garça sempre, tentando pegar algum alimento. Aonde é a nascente desses rios? eles nascem limpos e em que ponto eles se poluem? qual seria a melhor política de despoluição desses rios e por consequência, despoluição da baía.

    joguei minha idéia no universo, espera q algum sonhador como eu e q esteja no mundo cinematográfico possa documenta-lo

  8. Ellen Ferreira 06/10/2015

    Achei muito legal e original…

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos