Aprenda a criar realidades com palavras

Dica 51: Comece suas histórias com impacto.

Por Diego Schutt em 16/03/2011 Tópicos: dicas
7
11

As primeiras linhas, os primeiros parágrafos, as primeiras páginas e os primeiros capítulos são definitivos no processo de decisão de leitura de um texto, e devem deixar claras as respostas para duas perguntas: qual é a história que você vai contar e como você vai fazer isso.

Imagine que você tem diante de si uma infinidade de portas fechadas. Começar a ler uma história é como abrir uma dessas portas. No início, você está espiando pela frestinha aberta, procurando por algo que lhe ajude a decidir se vale a pena entrar e explorar esse espaço.

Você ouve os diálogos, observa os personagens, analisa a locação e, acima de tudo, procura entender o sentido do que está acontecendo. O objetivo de todo escritor é deixar quem abre uma de suas portas inquieto, curioso, inspirado, entusiasmado com o que virá pela frente.

Nesse primeiro momento, o leitor está tentando entender a forma como você organizou a narrativa. Ele está a procura de uma moldura que o ajude a avaliar se o tema e o tom em que a história será contada são do seu interesse. São informações essenciais: quem é o protagonista e qual o conflito central da história. A partir dessas informações, o leitor avalia se prosseguirá na leitura do restante do texto.

Leia as dicas 1 à 50.

Leia as dicas 51 à 100.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Inglaterra, Japão e Hong Kong. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

7 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. bianca 28/12/2011

    Me sinto quase abençoada por ter encontrado este blog!!! hehehe… Escrevo desde os 14 anos, e pretendo lançar um livro. Mas ainda estou incerta sobre isso. Gostaria de enviar minha estória para um crítico literário; você saberia indicar alguém?

  2. Diego 29/12/2011

    Que legal Bianca! Espero que os textos do site te ajudem a escrever teu livro. Não tenho um crítico literário para indicar, mas encontrei esse site http://www.escrevaseulivro.com.br/escreva/servicos.html. Nunca usei os serviços oferecidos, mas talvez possa te ajudar. Boa sorte e obrigado pela leitura.

  3. bianca 29/12/2011

    Obrigada pela dica, Diego! Mas o site não oferece esse serviço, infelizmente. Mas ele tem muita coisa útil, sim.

    Eu estava dando mais uma olhada no blog aqui, e me veio em mente algumas dúvidas que não encontrei (talvez eu não tenha procurado direito). Mas enfim, minhas dúvidas são: O que diferencia um texto literário, de um jornalístico? O que é preciso para o texto ser literário? Vejo que há uma boa discussão sobre livros que são realmente literários, e livros que não são. Por exemplo, esse série nova que saiu “Crepúsculo” muita gente critica dizendo que não é literatura. Por que?

    Bom, eu, particularmente, não gosto mesmo da série, tenho minha opinião a respeito, mas gostaria de entender o que faz com que uma obra seja considerada literatura por profissionais da área.

    Você já leu “Cartas a um jovem escritor” do Mario Vargas Llosa? Eu comecei a estudar Letras, e uma professora nos deu alguns trechos do livro. Ainda não pude pôr minhas mãos no livro, mas vi que tem muitas dicas interessantes, também, para quem quer escrever.

    Abraços!

  4. Diego 04/01/2012

    Oi Bianca
    De forma geral, um texto jornalístico é um relato e/ou análise de fatos, enquanto o texto literário é a expressão artística através da palavra escrita. Para ser caracterizado como literatura, penso que um texto deve ter como objetivo exprimir qualidades e estilo artísticos, o que significa que a intenção do autor não é apenas transmitir uma mensagem, mas também expressar a forma única como ele vê o mundo.

    No caso da série Crepúsculo (nunca li nenhum livro da série), acredito que é o caráter comercial da série e a falta de estilo na forma de escrever é o que leva à descaracterização dos livros como literatura.
    Ainda não li “Cartas a um jovem escritor”. Obrigado pelo dica. Vou procurar pelo livro.

    Abs

  5. Roseli Lasta 16/12/2012

    Olá, bom dia

    Estou com uma dúvida quanto ao tempo verbal quando se escreve sobre uma época passada. No 1º livro da série ” The Trilogy of the Times”, ” The Crystal Box” , pelas normas do mercado literário americano, tive que passar para o passado todo o livro, porém o 2º e o 3º livros da série se encontram em português ainda e para adiantar estava passando para o passado também, mas agora pediram que verificasse junto ao mercado brasileiro quais as normas daqui e sinceramente não estou encontrando resposta para isto.
    Poderia me ajudar?
    Há uma regra para isto ou depende da maneira de escrever de cada autor quando nos referimos a um tempo que já foi?

  6. Diego Schutt 17/12/2012

    Oi Roseli

    Não sei responder sua pergunta. Não tenho conhecimento sobre esse tipo de norma. Recomendo que você envie uma mensagem para o pessoal do http://www.escrevaseulivro.com.br. Acredito que eles saberão informar você.

    Boa sorte.

  7. Livros&Filmes 13/12/2013

    Estou começando a fazer um livro,depois que eu acabar vou o colocar em um site está ficando ótimo graças ao FicçãoemTópicos,obrigado .

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos ® é uma marca registrada