Escreva para expressar, não para impressionar.

Dica 25: Seja específico em suas descrições.

Por Diego Schutt em 19/09/2010 Tópicos: Dicas, Técnicas
1
20

Palavras fazem parte do nosso vocabulário racional. Imagens fazem parte do nosso vocabulário emocional. Palavras permitem que você traduza suas ideias de forma organizada e compreensível. Imagens permitem que você ilustre suas emoções através de comparações e simbolismos.

Descrições genéricas entregam ao leitor a responsabilidade de transformar suas palavras em imagens. É um convite a elaboração de detalhes da história que você, escritor, poderia usar para destacar passagens importantes do texto e expressar sua visão artística com mais fidelidade.

Por exemplo: “Achava, o Crisóstomo, que seriam felizes para sempre. Ele disse: acredito que vamos os dois ser felizes para sempre. Isaura riu esquisito.” Como esquisito é um adjetivo genérico, tal descrição da risada dessa personagem carece de energia.

_____

Coloque as dicas do site em prática com o criador do Ficção em Tópicos.

O curso/oficina online Jardineiro de Ideias vai equipar você com ferramentas práticas para desenvolver suas ideias e inspirações de uma forma mais espontânea e confiante. CLIQUE AQUI PARA SABER MAIS.

_____

Ao descrever uma característica importante sobre um personagem, escolha palavras que criem uma imagem mais específica de tal característica. Seu objetivo é oferecer referências concretas para ajudar o leitor a imaginar com mais clareza o que você está tentando expressar.

Observe esse exemplo, extraído do livro “O filho de mil homens”, de Valter Mãe: “Achava, o Crisóstomo, que seriam felizes para sempre. Ele disse: acredito que vamos os dois ser felizes para sempre. Ela riu-se. A Isaura nem sabia rir. Parecia só um animal incomodado por graça. Até a expressão de um sentimento benigno lhe aparecia no rosto como um certo gesto atrapalhado.” Perceba como o escritor é mais específico na forma de descrever a esquisitice da risada de Isaura e a comparação da personagem a um animal reforça a estranheza que o escritor deseja expressar. Como essa descrição é mais precisa, a passagem ganha vida.

Em momentos importantes do texto, seja específico em suas descrições, faça comparações, ofereça referências. Use linguagem simbólica para pintar imagens mais vívidas, que ajudem o leitor a enxergar as especificidades do seu universo de ficção.

Leia as dicas 1 à 50.

Leia as dicas 51 à 100.

Aprenda a escrever para expressar, não para impressionar.

O Jardineiro de Ideias é um curso/oficina ONLINE que ensina a escrever ficção de um jeito mais intuitivo, espontâneo e criativo. CLIQUE AQUI para saber mais.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 10 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

Um escritor tem algo a dizer sobre este texto

  1. Giovana Vieira 24/07/2016

    Você não sabe o quanto está me ajudando com essas dicas.
    Muito obrigada.

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copyright 2010-2019 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos