Aprenda a criar realidades com palavras

Dica 15: Não tente agradar a todos com suas histórias.

Por Diego Schutt em 24/08/2010 Tópicos: dicas
4
15

Ao escrever certos gêneros e decidir por explorar certos temas em seus textos, você está automaticamente delimitando o alcance da sua história a um determinado grupo de pessoas.

Se você está escrevendo um épico de fantasia sobre as relações de poder na era medieval, você está automaticamente excluindo da sua lista de leitores em potencial todas as pessoas que não se interessam por épicos, por fantasia, e por histórias ambientadas em passados distantes.

Suas histórias nunca vão agradar 100% dos leitores. Se nem mesmo os livros que são considerados obras primas da literatura mundial tem aprovação unânime, certamente seus textos não são e nunca serão exceções. Existe apenas uma única pessoa que deve sempre gostar de absolutamente todas as suas histórias: você.

Leia as dicas 1 à 50.

Leia as dicas 51 à 100.

Sobre o Autor

Diego SchuttLer todos os textos de Diego Schutt
Diego Schutt combina ideias de teoria literária, dramaturgia e psicologia social para ajudar escritores iniciantes e experientes a desenvolver textos com mais confiança, foco e impacto. Sua formação técnica em escrita criativa inclui cursos e oficinas no Brasil, Austrália, Suíça, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra e Japão. Há 7 anos, ele escreve e edita o Ficção em Tópicos, o site mais completo sobre storytelling em Português.

4 escritores têm algo a dizer sobre este texto

  1. Gean Riwster 25/03/2012

    Procurava este tópico a um tempo.
    Lembrava disto antes de postar um capítulo arriscado,por ser muito grande e eu ter um mero defeito de repetição de palavras.Digo isto não por observação minha,mas por minha professora de Português.
    Em um texto,ela conseguiu destacar todos os erros grotescos no começinho,sem nem querer ver a justificativa coesiva após.Dei tal para um colega,que mal me conhecia e/ou tinha intimidade,e ele chegou em mim,após a leitura,e deu se o trabalho a comentar,quando arqueou-se a falar: “Seus textos são bons cara”.
    Outro fato interessante foi um texto,tarefa de redação,que se poderia fazer qualquer texto descritivo,que fosse narrativa(meu estilo).Eu já tinha feito um que me agradou em especial,lí para o meu irmão e foi o mesmo,publiquei em um site e todos elogiaram,e quando fui ler para um outro colega,ele disse que estava péssimo.
    Na verdade nunca compreendi estas coisas.Neste mesmo site,quando posto textos mais puxados para o lado da comédia,geralmente é 100% de aprovação,mas quando passo para o lado dramático,passa a ser 80% talvez.Mas sempre os dramáticos acho muito mais profundo,e na verdade,quem gosta…gosta de verdade porque algo a surpreendeu,e os que não gostam…não gostam mesmo.
    Entretanto,as críticas negativas(construtivas) geralmente,mesmo sendo a minoria,tem mais impacto sobre mim,de um modo a me fazer pensar que aquele capítulo ficou uma merda.
    Voltando ao capítulo arriscado…sabe aqueles textos que quando você tem o tal mero defeito de repetir idéias,e no fim,isto acaba sendo de total nocividade? Foi o que senti.Sinto-me inclinado a dizer – Este é meu defeito.Queria saber como contornar esta repetição de idéias,mas ainda não encontrei este tópico,até mesmo porque isto não é tão geral,mas talvez especifico.Mas juro que queria saber.
    Mas as vezes penso sobre quando tenho que colocar um equilíbrio entre a descrição(meu estilo) ligada a história,e a descrição ligado ao segmento da narrativa e de ações(estilo de qualquer escritor,mas que ainda descubro).O que posso fazer?

    Obrigado pelo site Novamente.Como sempre me fazendo refletir 😉

  2. Diego 27/03/2012

    Oi Gean

    A medida que você começa a descobrir sua voz de escritor e a entender o resultado que você quer atingir com seus textos, você vai começar a reconhecer que críticas aceitar e quais desconsiderar. Mas nunca tenha como objetivo escrever histórias que agradem a todos. Ao invés disso, preocupe-se em encontrar um público que aprecie o seu estilo e a sua forma de contar histórias.

    Respondendo à sua outra pergunta, se você reconhece as ideias repetidas nos seus textos, escolha aquelas que expressam o que você quer dizer com mais clareza e originalidade e exclua as outras. É para isso que existe o processo de edição. 🙂

    Obrigado pela leitura.

    sds
    Diego

  3. Erick de Vathaire 29/11/2013

    Gean, tem um jeito facil que eu faco=

    Penso na frase que quero
    Tento substituir a segunda palavra repetida
    Se deu certo, pronto, se nao=
    Tento substituir a primeira palavra que serah repetida
    Se deu certo, pronto, se nao=
    Mudo a posicao da frase com uma anterior ou posterior (Infalivel, porem trabalhoso)

    Por exemplo=

    Joao estava trabalhando na oficina, Joao estava limpando o carro e se sujou.

    (Sei que poderia usar o ELE em uma das duas mas imagine q nao consegui.)

    Joao estravalha trabalhando na oficina e se sujou enquanto Joao estava limpando o carro. (Ai pelo menos numa boa parte dos casos dah pra sumir com a repeticao, se ficar feio tenta o contrario ou distanciando mais as frases (Com cuidado para nao perder o nexo))

  4. Ana 18/06/2014

    Olá, boa noite.
    Gostaria de falar que essas dicas estão me ajudando muito, até pouco tempo me sentia insegura, sou escritora de primeira viagem , mas percebo que se não tiver insistência,nunca vou saber até onde posso alcançar . Obrigada mesmo.

Gostou do texto? O autor vai adorar saber. Deixe um comentário e compartilhe o artigo com outros escritores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

Copyright 2010-2017 Diego Schutt - Todos os Direitos Reservados | Ficção em Tópicos